Região em Alerta

Coronavírus em Uberlândia: Já são oito casos suspeitos

A informação foi divulgada pela Secretaria Municipal. O Ministério da Saúde ainda não reconheceu os casos como suspeitos.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Coronavírus em Uberlândia
Foto: Reprodução (Pixabay)

Coronavírus – A Secretaria de Saúde de Uberlândia confirmou na tarde desta quinta-feira (27/02) que oito casos suspeitos são investigados na cidade. Segundo o órgão, uma das pacientes é uma jovem de 28 anos que está internada no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC/UFU).

Outros dois pacientes estão internados em hospitais particulares. Quatro membros da mesma família e uma quinta pessoa estão com sintomas, no entanto, se recuperaram em casa.

- Continua depois da publicidade -

Ainda segundo a Secretaria de Saúde de Uberlândia, foi colhido material em todos os pacientes. Os exames serão feitos em Belo Horizonte. O Ministério da Saúde ainda não considera os casos da cidade como sendo suspeitos.

A vizinha, Uberaba, registra, de acordo com a Secretaria de Saúde, dois casos suspeitos. Os pacientes são um jovem de 18 anos e uma mulher de 35 anos.

Em Patos de Minas, cidade próxima à Uberlândia, a Secretaria de Saúde se prepara para eventuais casos da doença. Não há nenhuma notificação até agora.

Oficialmente são cinco casos suspeitos em Minas Gerais, sendo três em Belo Horizonte, um em Montes Claros e outro em Juiz de Fora. No Brasil em inteiro são 132 casos em investigação. Na quarta-feira (26), o país registrou o primeiro caso confirmado da doença.

Casos suspeitos por estado em 27/02/2020
Fonte: Ministério da Saúde

Combate em Minas Gerais

Fotos: Marcus Ferreira

Ramon Oliveira – ASCOM SES-MG

Diante da tendência de aumento do número de casos suspeitos, a Secretaria de Estado de Saúde apresentou, nesta quinta-feira (27/02), em entrevista coletiva concedida pelo secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, o Plano de Contingência para Emergência em Saúde Pública COVID-19, elaborado durante o mês de fevereiro e ainda detalhou as ações em curso. Por exemplo, a SES-MG está realizando licitação para compra de equipamentos de proteção individual (EPI) para profissionais de saúde; realização de campanhas, tanto na mídia tradicional, quanto voltada às redes sociais; criação de hotsite para publicação e concentração de informações oficiais; treinamento de pessoal nas Regionais de Saúde e das Secretarias Municipais de Saúde.

“Nós estamos em processo de análise jurídica para a publicação de um Decreto de Emergência em Saúde Pública, o que pode agilizar processos de compra de leitos, medicamentos, ventiladores, monitores, contratação de pessoal, entre outras medidas que possam gerar uma resposta dos serviços de saúde a essa epidemia. Também vamos ativar o Centro Mineiro de Controle de Doenças Transmissíveis, uma espécie de força-tarefa voltada às emergências de saúde, e também em articulação com a Rede Intermunicipal de Emergências de Saúde Pública, que envolvem consórcios intermunicipais”, detalhou o secretário Carlos Eduardo Amaral. Ainda conforme o secretário, do ponto de vista do cidadão, a ênfase deve ser dada às medidas de higiene respiratória, como lavar constantemente as mãos, sobretudo após uso de transporte público e contato com pessoas em locais de aglomeração pública; evitar levar as mãos ao nariz e aos olhos; cobrir a boca e o nariz ao espirrar. “São cuidados muito similares àqueles para evitar a gripe”, comentou Amaral.

Uma vez que houve ampliação do número de países em que está ocorrendo a transmissão da doença, ultrapassando o continente asiático e chegando à Europa, os serviços de saúde devem ter aumento no número de pacientes que podem estar infectados. “As pessoas viajam com mais frequência a países como França, Itália e Alemanha, portanto há uma tendência de aumento de casos. É importante frisar que, a partir da notificação, já ocorre o isolamento do paciente. Posteriormente, conforme os protocolos do Ministério da Saúde, o caso poderá vir a ser classificado como suspeito”, esclarece o subsecretário de Vigilância em Saúde, Dario Brock Ramalho.

De acordo com o subsecretário, atualmente o teste, realizado após coleta de secreção dos pacientes, é realizado para alguns vírus mais comuns que causam síndromes respiratórias na Fundação Ezequiel Dias (Funed), bem como o específico para coronavírus na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). “Há expectativa de que, nos próximos dias, o Ministério da Saúde desconcentre a realização do exame na Fiocruz e permita que a Funed e outros laboratórios também estejam capacitados a realizar os testes RT-PCR, conforme o protocolo Charité, conforme preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS)”, informou.

Tanto o secretário Carlos Eduardo Amaral, quanto o subsecretário Dario Brock Ramalho, ressaltaram que não há razão para discriminação em relação às pessoas oriundas de países asiáticos ou seus descendentes. “Não há o menor sentido em qualquer atitude discriminatória. Além disso, os casos suspeitos têm relação com viagens que as pessoas fizeram, em virtude da transmissão dos casos e não pela origem das pessoas”, destacou Amaral.

Já a diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da SES-MG, Janaína Fonseca Almeida, destacou que as medidas em relação aos aeroportos são desenvolvidas pelos órgãos federais. “São realizados avisos sonoros e as companhias aéreas estão treinadas a reconhecer pacientes com sintomas. No aeroporto de Confins, havendo algum caso, será utilizada a sala de isolamento, até que o paciente seja conduzido ao serviço de saúde de referência. Posteriormente, realizamos o acompanhamento de outros passageiros”, completou.

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -