Religiões espíritas cobram revisão no protocolo de reabertura das igrejas em Patos de Minas

Representantes dos centros espíritas não foram chamados para reunião que definiu retorno do funcionamento centros religiosos.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os representantes das religiões kardecistas, umbandistas e candomblecistas reclamam de não terem sido chamados para a reunião que definiu a reabertura das atividades religiosas em Patos de Minas. Eles reclamam quem o tempo definido para as igrejas não condiz com o tempo necessário para realização dos rituais de matriz africana e espíritas.

- Continua depois da publicidade -

O sacerdote de umbanda, pai Vicente Paulo de Deus, disse que não é possível que as religiões de matriz africanas e até as religiões espíritas se adequem ao tempo anunciado pela administração municipal. Segundo ele, é possível se adequar em todos os outros quesitos, porém os centros espíritas não conseguem realizar os trabalhos em apenas uma hora, já que existe uma ritualística a ser feita.

 

“Este protocolo não se estende até nós, pois somos uma diretriz que trabalha com norma própria. Temos que passar por liturgia ritualística, que tem que ser obedecida e no prazo de uma hora não dá”, ressaltou. Ele reclama que a comunidade espírita não foi ouvida.

Já o sacerdote do candomblé nação Omolokô, pai Iuri Nunes, comentou que as autoridades ignorarem religiões de matriz africana, kardecistas e outros para definição de um protocolo que abrange a todos só mostra e confirma o que acontece sempre conosco que é colocarmos a margem da sociedade. Uma reunião feita com entidades cristãs não pode definir regras para as demais entidades na qual eles não conhecem a ritualística. Não posso falar por todos, mas por mim digo que meu terreiro continuará de portas fechadas, até que possamos atender com segurança.

A equipe do Patos Notícias entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Patos de Minas que respondeu: “A iniciativa não partiu da prefeitura, mas sim dos representantes de igrejas evangélicas e católicas. Eles já haviam protocolado ofícios direcionados ao Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19 e solicitado reunião com o Executivo, fato esse que ocorreu esta semana. As demais religiões não haviam se manifestado até o momento.”

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -