Pesquisa inédita discute a presença do negro na formação da vila que deu origem a Patos de Minas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Aquarela sobre papel, 22 x 14,5 cm, J.B. Debret, Rio de Janeiro, c.1816-1831.

Uma pesquisa inédita, conduzida pelo professor Paulo Sérgio Moreira da Silva, doutor em História Social pela Universidade Federal de Uberlândia, discute a presença do negro na formação do território da vila de Santo Antônio dos Patos, que originou a Capital do Milho. Em entrevista a Rádio Clube 98, Paulo explica que o estudo traça os caminhos dos escravizados até chegarem à região que deu origem a cidade.

“Partimos de um dado primordial, de que a região do Alto Paranaíba foi o maior importador de escravizados oriundos das regiões auríferas em decadência com a cidade de Paracatu e Goiás.  Pelos dados levantados pela pesquisa, este deslocamento da população negra para a nossa região se dá, por uma necessidade gerada no processo de exploração de diamantes e na crescente formação das culturas agrícolas e dos currais das fazendas. Importante ressaltar que a produção alimentar que era consumida era oriunda destes locais, que por sua vez eram cultivados por esta mão de obra negra”, escreve o professor ao Clube Notícia.

Além disso, o professor também analisa como a presença dos escravizados trouxe mais movimentação para a região. “Todo este movimento populacional e econômico acelerou o processo de ocupação, formação e desenvolvimento das primeiras vilas, o que marcou e refletiu na pujança das cidades atuais de nossa região”, escreve Paulo.

Abaixo, o professor detalha como a pesquisa é conduzida.

Sobre os dados que permitem discutir esta pesquisa, destacamos:

– os documentos manuscritos do Arquivo Público Mineiro.

– os mapas de recenseamento.

– as matrículas de registros dos escravos desta vila (nestes documentos encontramos – número de ordem das relações, nome do senhor, residência, numero de ordem na matricula geral do município, data da matricula, nome do escravo, sexo, cor, idade. estado civil, filiação, aptidão para o trabalho, profissão e observação).

– inventários Post-Mortem desta vila.

Como resultados preliminares, a pesquisa traz a comprovação de que a manutenção e desenvolvimento de nossa cidade passa pela presença dos povos negros que aqui chegaram no século XIX. Ressalto ainda que, mesmo ocupando as franjas de nossa cidade, eles se mantêm vivos e marcam o tempo presente da vida da cidade de Patos de Minas através da prática e manutenção de suas culturas.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. A responsabilidade dos comentários é integralmente de seus autores. Comentários que são considerados como spam ou ofensivos devem ser denunciados diretamente ao Facebook. O Patos Notícias se reserva ao direito de remover postagens que violem seus termos de uso ou as leis vigentes sem prévia notificação. 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.