Vídeo de 2015 foi editado para parecer manifestação de apoio a Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Foto: Reprodução

Este vídeo foi publicado no Facebook pela página “Bolsista Internacional Sudeste”, que tem um milhão de pessoas inscritas no “Coro de Arrependimento” na Esplanada dos Ministérios de Defesa de Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL. A dilatação de uma carta original foi publicada no YouTube em 15 de março de 2015 em um ato pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT).

Para obter o original, o Comprova fez uma análise do vídeo. Em uma cena da gravação, apresente uma pessoa com um cartaz escrito “Fora Dilma” , bastante difundido durante os protestos contra o segundo governo da petista, entre 2015 e 2016.

- Continua depois da publicidade -

A partir daí, foi realizada uma busca no Google Vídeos com as seguintes palavras -chaves: “fora” “dilma” “primeira página dessa vez pode encontrar o vídeo em questão.

A música original foi publicada no YouTube por Mairon Oliveira, advogado e morador do Distrito Federal. Ao Comprova, ele confirmaou a autoria do video. “Isso foi em 2015 na manifestação ‘por Dilma’. Não tem nada a ver com o Bolsonaro”, disse.

Além disso, de acordo com o relatório da Folha de S. Paulo , publicado em 15 de março de 2015, a Polícia Militar do Distrito Federal estimou a manifestação pelo impeachment reuniu 40 mil pessoas e um milhão como uma descrição do vídeo enganoso. Já os organizadores do protesto, na época, têm cerca de 100 mil para a Esplanada dos Ministérios.

O vídeo publicado através da página “Bolsonaro Presidente Sudeste” foi promovido para segunda-feira, 17 de setembro, e mais de 66 mil compartilhamentos e 888 mil visualizações nas primeiras 24 horas.

Fonte: Projeto Comprova

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -