Uso do nome social por trans, travestis e transexuais será discutido em Patos de Minas

Projeto de lei, que prevê o uso do nome social na administração pública municipal, será apreciado na Câmara dos Vereadores.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou transgêneros, travestis e transexuais a alterarem o nome no registro civil sem a realização de cirurgia de mudança de sexo. Com a decisão, o interessado pode solicitar a mudança mediante autodeclaração.

Em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, um projeto de lei (PL) de autoria do vereador Daniel Amorim Gomes – Profº Daniel, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), permitirá, caso seja vontade do cidadão, o uso do nome social em processos na administração pública municipal.

O nome social é o modo como transgêneros, travestis e transexuais preferem ser identificados. Para essas pessoas, o nome oficialmente registrado, na maioria dos casos, não contempla a identidade de gênero. A identidade de gênero é o modo como a pessoa se reconhece: homem, mulher, ambos ou nenhum.

sigla-lgbtqia-
Significado da sigla LGBTQIA+
Foto: Reprodução (Globo)

A proposta, PL 5321/2021, prevê que o nome social será usado em todos os dados e registros de informação, como nos cadastros, programas municipais, crachás, prontuários, etc. O nome civil será empregado apenas para fins internos administrativos, quando for estritamente necessário, ou nos casos em que o interesse público exigir para a proteção dos direitos do cidadão e de terceiros.

O autor, o vereador Daniel Amorim Gomes, ressalta a importância do projeto. “O objetivo é de garantir à população LGBTQIA+ o direito ao uso do nome social nos órgãos da Administração Pública Municipal. Tendo em vista a relevância da temática e o grande benefício que será proporcionado à população LGBTQIA+ patense, pedimos que os colegas vereadores o aprovem”.

Na última segunda-feira (13/9), o texto foi analisado pelos membros da Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR). Ele está pautado para a reunião ordinária de quinta-feira (16). Para entrar em vigor, o projeto precisa ser aprovado pela maioria dos vereadores em dois turnos. Também é preciso a sanção do prefeito municipal, Luís Eduardo Falcão (PODEMOS).

Caso vire lei, o poder executivo terá até 180 dias para implantar a mudança. Clique aqui e acesse a íntegra do projeto de lei 5321/2021.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.