Texto atual da reforma tem 10 anos de sustentação, diz secretário da Previdência

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Em debate promovido hoje (08) pela TV Estadão, o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, disse estar otimista de que a reforma da Previdência será aprovada. Segundo ele, os próximos dias “serão de muita conversa [com o Congresso] e de muita explicação a respeito da reforma para obtenção dos votos necessários para a aprovação”.

Durante o debate, o secretário também falou sobre a necessidade de se aprovar a reforma da Previdência. “Necessitamos sim, fazer a reforma da Previdência para ter as contas equilibradas”, ressaltou. A reforma, como está neste momento para ser votada pelo Congresso, disse o secretário, não é definitiva. “Pelas nossas contas, ela é para dois mandatos, uns dez anos de sustentação. Não é uma reforma definitiva, mas é um passo muito importante”, falou.

- Continua depois da publicidade -

O secretário voltou a defender que ainda há tempo para uma reforma preventiva, evitando medidas mais duras. “Essa é uma reforma preventiva. Desde criança, ouço que prevenir é melhor do que remediar. Se a gente não fizer nada, vejam a Grécia, vejam Portugal. Estamos fazendo a reforma justamente para impedir que isso ocorra. Ainda temos tempo para isso, mas não temos muito tempo”, destacou.

Para Marcelo Caetano, o simples adiamento de problemas sempre exige remédio mais amargo depois. “Se você está com problema de diabetes e não faz [tratamento] agora e espera a diabetes, pode-se chegar ao nível de amputar a perna. Não fazer agora e empurrar a reforma para a frente significa que a reforma atual fique totalmente insuficiente. E aí terá que fazer uma reforma ainda mais forte e intensa para compensar o que deixou de ser feita no passado”, disse.

FONTE: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -