Taxa de contágio sinaliza estabilização da covid-19 em Minas

Nos últimos dias, indicador Rt apontou variação entre 0,95 e 1,07; índice é um dos utilizados na tomada de decisão em saúde pública.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Pela primeira vez no transcorrer da pandemia em Minas Gerais, a taxa de transmissão da covid-19 (Rt) no estado oscila com resultado próximo de 1 durante duas semanas. Desde o início de agosto, o indicador varia entre 0,95 e 1,07 o que significa que uma pessoa contaminada pelo novo coronavírus tem potencial para infectar, em média, uma pessoa. Em março, foram registrados os primeiros casos de contaminados, o índice variava entre 1,59 e 5,12, ou seja, uma pessoa infectada tinha potencial para contaminar até 5 outras.

Para os gestores, que usam esse indicador como uma das principais ferramentas para as tomadas de decisões referentes à pandemia, o Rt é o sinal de que o contágio tende à estabilidade. Segundo o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Carlos Eduardo Amaral, o Rt sinaliza que “a estabilização dos dados, além de uma tendência, pode começar a ser o início de uma queda na transmissão”.

Sobre o comportamento do indicador durante a primeira quinzena de agosto, a diretora de Atenção Hospitalar e de Urgência e Emergência da SES-MG, Monique Félix, diz que isso representa “uma certa estabilização no número de novos casos confirmados, uma vez que a cada nova semana estamos observando desaceleração do crescimento do número.

“Contudo, precisamos manter esse Rt abaixo de 1 de forma sustentada. Quando a doença chegou, toda a população estava suscetível a ela. Com o transcorrer da pandemia, a tendência é que o número de pessoas suscetíveis ao vírus vai reduzindo”, esclarece Monique, acrescentando que o “ideal é que Minas mantenha o Rt abaixo de 1”.

Aceleração

O Rt determina a velocidade de propagação de um vírus dentro de determinadas condições, expressando a aceleração do contágio. “É um indicador instantâneo e representa o número médio de pessoas infectadas que cada indivíduo contaminado produziu, ou seja, uma vez contaminada para quantas pessoas vou transmitir”, explica Monique Félix.

Se ele é superior a 1, em média cada indivíduo infectado transmite a doença para mais de uma pessoa. Se é menor, cada vez menos indivíduos se infectam e o número de novos casos retrocede.

A equipe da SES-MG calcula o Rt de Minas por meio da metodologia proposta pelo Imperial College, de Londres. Para conhecimento da pandemia em Minas, a equipe trabalha com a média móvel dos últimos sete dias, já que, dessa forma, as oscilações diárias no quantitativo de casos são corrigidas.

“Com a variação dos dados que ocorre, principalmente nos finais de semana, em que há uma queda no número de casos procedida de um aumento substancial na segunda e terça-feira, optamos por usar a média dos sete dias para evitarmos distorções”, diz Monique. A SES-MG também calcula a taxa de contágio por macrorregião de Saúde para identificar questões de heterogeneidades do estado.

Segundo a diretora, apesar de ser um instrumento importante para as tomadas de decisão, o cálculo do Rt é sensível a pequenos números e qualidade dos dados informados pelos municípios. “Se em algum dia há um volume expressivo de casos confirmados e nos dias subsequentes o município deixa de enviar as informações à SES-MG, o Rt não retrata a realidade. Apesar da importância, o indicador tem limitações”, pondera.

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS