Suspeitas de exploração sexual de adolescentes são presas no sul de Minas Gerais

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Imóvel onde funcionava a casa de prostituição.
Foto: Divulgação (PCMG)

Como desdobramento de uma investigação de exploração sexual infanto juvenil, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou nesta quarta-feira (5), em Poços de Caldas, a Operação Book Rosa, que resultou na prisão preventiva de duas mulheres, de 34 e 51 anos. Elas são suspeitas de anunciar programas sexuais em um blog, que seriam atendidos por adolescentes de 15 e 17 anos.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Cleyson Brene, o trabalho investigativo teve início em janeiro deste ano, e partiu de uma denúncia do Ministério Público, informando sobre uma possível casa de prostituição no bairro Centenário. A equipe de policiais civis, utilizando-se de ferramentas de inteligência e diligências em campo, chegaram até as suspeitas. Posteriormente, a autoridade policial solicitou à Justiça os mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão no imóvel.
Os levantamentos da PCMG apontam que pelos menos dois adolescentes e uma jovem de 18 anos seriam vítimas do esquema de prostituição. “Num profícuo trabalho investigativo, pudemos confirmar a existência de um blog, com oferta de serviços sexuais, além do número de telefone para contato. Inclusive, uma das vítimas era filha de uma das investigadas”, detalha o delegado.
Ainda segundo Cleyson Brene, durante a investigação, foi apurado que além da exploração dos adolescentes, com anúncio via internet, a residência era utilizada para serviços sexuais. “Nos aparelhos telefônicos das investigadas constam conversas agenciando os programas”, informa o delegado. Segundo ele, ainda foi levantado que as suspeitas recebiam pelo agenciamento e cobravam por mais serviços.
As investigadas podem responder por exploração sexual de adolescente, cuja pena é de até dez anos de prisão, conforme artigo 244 A do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA); por manter casa de prostituição, de dois a cinco anos de prisão, e por rufianismo (tirar proveito da prostituição alheia), até quatro anos de prisão, de acordo com os artigos 229 e 230 do Código Penal, respectivamente.

Polícia Civil de MG
05/04/2017

- Continua depois da publicidade -
- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -