STF deve julgar se precisa de autorização para afastar parlamentar, diz ministro

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Brasília - Ministro Marco Aurélio durante sessão plenária do STF de abertura do Ano Judiciário de 2017 e homenagem ao ministro Teori Zavascki (José Cruz/Agência Brasil)

O ministro Marco AurélioArquivo/Agência Brasil

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu hoje (28) o julgamento, pelo plenário da Corte, de uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) que questiona a necessidade de autorização legislativa para  imposição de medidas cautelares alternativas à prisão de parlamentares.

A ação, aberta pelos partidos Progressista (PP) e Social Cristão (PSC) e  pelo Solidariedade (SD), pede que seja submetida em 24 horas ao Congresso Nacional qualquer medida cautelar prevista Código de Processo Penal que seja imposta a qualquer parlamentar.

“É o momento de tratar dessa matéria. A ADI será apreciada, não pela turma, mas pelo plenário”, afirmou Marco Aurélio, que reiterou sua posição favorável à tese defendida pelos partidos.

"O meu convencimento sobre a matéria estampei no dia 30 de junho, quando apontei, sem incitar o Senado a uma rebeldia, que, como ele pode rever uma prisão, pode rever também uma medida acauteladora, que seria de suspensão do exercício do mandato”, acrescentou o ministro, citando o julgamento da última terça-feira (26), no qual a Primeira Turma do STF decidiu afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do exercício do mandato.

Entre outros argumentos, os partidos que abriram a ação baseiam seu pedido na regra constitucional que prevê autorização legislativa prévia para prisão de parlamentar e em outra, que autoriza Câmara e Senado a suspender ação penal que tenha sido aberta contra parlamentar por crime ocorrido após ele assumir o mandato.

“É possível afirmar, de modo indubitável, que a solução constitucionalmente mais adequada é aquela que impõe a submissão ao Parlamento de qualquer medida judicial que importe no afastamento do parlamentar de suas funções institucionais”, diz a peça. A decisão sobre o envio da ação a plenário está nas mãos do ministro Edson Fachin, relator da ADI, e da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

Crise grave

Questionado por jornalistas, Marco Aurélio afirmou que o país de fato vive uma crise institucional “grave”, mas que “será suplantada porque a democracia veio pra ficar”. O ministro disse ser necessário prevalecer a “ordem jurídica”, afirmando que a Constituição precisa ser “mais amada pelos brasileiros em geral”.

Texto ampliado às 16h48

Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.