Shows encerram Universíade de Taipei e promovem Nápoles 2019

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A Universiade de Taipei terminou com shows de cantores e bandas taiwanesas na noite de hoje (30). A festa no Estádio Municipal de Taipei começou por volta de 8h (horário de Brasília) e foi encerrada pelo presidente da Federação Internacional do Esporte Universitário, Oleg Matysin, que elogiou o apoio da população e do governo local à competição.

“Vocês foram graciosos e generosos. Tenho certeza de que os atletas aprenderam com os valores do esporte e com seus valores”, disse Matysin, que terminou seu discurso desejando “forza” a Nápoles, cidade-sede da Universíade de 2019.

A próxima sede dos jogos mundiais universitários foi exibida em vídeo no estádio, com imagens de seus monumentos históricos, praças e paisagem mediterrânea. Na parte final da cerimônia, clássicos italianos como O Sole Mio foram interpretados por um cantor lírico, enquanto dançarinos de tarantela apresentavam uma coreografia feita especialmente para a cerimônia.

O vice-presidente de Taiwan, Chien-Jen Chen, foi o primeiro a discursar no evento após uma série de shows predominantemente de música pop e rock, incluindo sucessos norte-americanos. Ele destacou que o evento provou que Taiwan “é mais do que capaz de organizar um grande evento internacional”. “Só trabalhando juntos podemos brilhar no cenário internacional”, destacou.

Taiwan busca ser reconhecido internacionalmente como país independente da China, mas é considerado território chinês por Pequim. A maior parte dos países do mundo também não reconhece Taiwan.

Durante o evento, a delegação anfitriã foi chamada de Taipei Chinesa, nome que recebe em competições internacionais em que a China também participa. “Os 23 milhões de taiwaneses livres, abertos e acolhedores receberão vocês de novo”, convidou o vice-presidente.

Vídeos exibidos durante a festa relembraram momentos marcantes da competição e arrancaram lágrimas dos atletas que assistiam do centro do estádio.

O tenista brasileiro Antonin Haddad, de 21 anos, disse que guardará o carinho dos taiwaneses na memória. “É indescritível a sensação de estar aqui. Foi tudo perfeito, e a gente foi muito bem recebido por esse povo que parece que ama a gente e tem amor pelo que faz”.

A atleta do badminton Gabriele Cavalcante, que tem 22 anos e estuda fisioterapia, destacou que mesmo voltando para casa sem medalhas, ela evoluiu como atleta. “A número um do badminton está participando. Poder ver ela jogar engrandece a minha carreira. E, por jogar com atletas de alto nível, a gente acaba aprendendo, mesmo perdendo alguns jogos”, afirmou.

O Brasil terminou a Universíade na 28ª colocação no quadro geral de medalhas, com dois ouros, quatro pratas e seis bronzes. Japão, Coreia do Sul e Taipei Chinesa foram os três países com mais ouros.

*O repórter viajou a convite da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU)

Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS