Setor sucroenergético impulsiona economia, geração de empregos, inclusão social e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro

Estudo do SEBRAE e Siamig analisa a importância de empresas, como Bunge Açúcar & Bioenergia e Usina Cerradão, em onze municípios de Minas Gerais.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Luiz Lima, Diretor Regional de Operações da Bunge Açúcar & Bioenergia – Foto: Divulgação

Frutal (MG), 27 de fevereiro de 2019 – O setor sucroenergético tem relevante papel na economia da região do Triângulo Mineiro, sendo grande responsável pela geração de emprego, inclusão social e preservação do meio ambiente, segundo levantamento feito pelo SEBRAE-MG, em parceria com a Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (SIAMIG). Atualmente, 28% dos estabelecimentos industriais presentes nos onze municípios selecionados para o estudo estão relacionados com a atividade sucroenergética.

Para obter este diagnóstico, o SEBRAE-MG analisou dados do complexo de cana-de-açúcar da Bunge Açúcar & Bioenergia, Usina Cerradão, Usina Coruripe, Delta Sucroenergia e Bionergética Aroeira, que juntas possuem 12 unidades produtoras presentes nas cidades de Campo Florido, Carneirinho, Conceição das Alagoas, Conquista, Delta, Frutal, Itapagipe, Iturama, Limeira do Oeste, Santa Juliana, Tupaciguara, e informações secundárias, divulgadas por fontes oficiais de informação como Confederação Nacional da Indústria (CNI), Ministério da Fazenda de Minas Gerais, União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e SIAMIG.

A pesquisa mostra que o estado representa 9% do total de usinas e da capacidade instalada de moagem do País. Ao todo, o Brasil possui 370 usinas, 34 delas presentes em 26 munícipios de Minas Gerais e 20 unidades no Triângulo Mineiro. A produção de cana ocupa uma área de 950 mil hectares plantados no estado.

Executivos da SIAMIG, Bunge Açúcar & Bioenegia e Usina Cerradão no lançamento do Estudo SEBRAE, em Frutal (MG)
Da esquerda para direita: Mario Campos (Siamig), Florêncio Queiroz Neto (Cerradão), José Pedro Andrade (Cerradão), Adalberto José Queiroz (Cerradão), Kamyro Bastos (Bunge), Luiz Alberto Lima (Bunge), Raphael Queiroz de Queiroz (Cerradão) e Pedro Felipe de Castro Andrade (Cerradao) – Foto: Divulgação

Só na safra 2017/18 foram produzidos 641 milhões de toneladas de cana no Brasil, sendo 65 milhões na região mineira, o que consolida o estado como o terceiro maior produtor de cana do país (11% do mercado). O Estado respondeu por 2,708 bilhões de litros de etanol e 4,2 milhões de toneladas de açúcar no período.

Minas também se destaca na exportação de açúcar bruto. O estado é o segundo maior no ranking, com 13,1% do mercado. Em 2016, doze cidades mineiras comercializaram o produto, representando 9,1% do total exportado pelo país. Dez desses municípios estão localizados na região do Triângulo Mineiro: Delta, Carneirinho, Iturama, Pirajuba, Frutal, Uberaba, Campo Florido, Santa Juliana, Itapagipe e Ituiutaba.

A representatividade do setor na produção de cana, açúcar, etanol e bioeletricidade gera empregos na região. Segundo o SEBRAE, em 2016, o setor contou com cerca de 174 mil trabalhadores diretos e indiretos. Dos 35 mil empregos diretos gerados no estado, 15 mil estão nos municípios sob influência das 12 usinas analisadas. Em comparação com o setor industrial, o setor de cana responde por 36,9% do total de empregados formais dos 11 municípios, o equivalente a 93% dos salários pagos no período. Considerando as empresas de todos os portes e setores, o setor foi responsável por quase 51% do total das remunerações pagas nesses municípios.

A geração de emprego e renda faz das companhias agentes de inclusão social. As usinas absorvem pessoas excluídas do mercado de trabalho e dão a oportunidade de conhecimento técnico, especializações e desenvolvimento profissional e contribuem para a diminuição de trabalhos informais.

Outro ponto analisado é a geração de impostos. Segundo o estudo, a geração de imposto exerce papel fundamental para a movimentação econômica e social de uma região. Em 2016, o Valor Adicional Fiscal (VAF) gerado pelas usinas analisadas somou R$ 1,8 bilhões, o que correspondeu a 17,4% do registrado pelos municípios selecionados no mesmo período.

O setor tem também importante contribuição para a redução das emissões de gases do efeito estufa e combate às mudanças climáticas. Em 2017, 89,2% da bioeletricidade gerada pelo país esteve concentrada em cinco estados: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e Paraná. O estado de Minas Gerais, que ocupa a 4ª posição, foi responsável pela geração de 2,7 GWh de bioenergia, equivalentes a 10,3% do total no período.

Para ter acesso ao estudo completo acesse: www.sebrae.com.br/minasgerais

Sobre o Projeto

O Projeto de Encadeamento Produtivo do Setor Sucroenergético, iniciativa desenvolvida pelo Sebrae-MG, em parceria com o Sindicato das Indústrias de Açúcar e Álcool de Minas Gerais (SIAMIG) e Usinas, nos anos de 2017 e 2018, teve como objetivo capacitar empresas locais para atender aos requisitos de compras de produtos e serviços do setor sucroenergético, além de melhorar os processos, aumentando a qualidade do trabalho desenvolvido e reduzindo custos e perdas. O projeto abrangeu os municípios de Campo Florido, Carneirinho, Conceição das Alagoas, Conquista, Delta, Frutal, Itapagipe, Iturama, Limeira do Oeste, Santa Juliana, Tupaciguara e permitiu a elaboração do Estudo do Setor Sucroenergético, que demonstra a importância deste segmento no desenvolvimento sustentável. Juntos, os 11 municípios selecionados para o trabalho representam 28% da produção industrial do Triângulo Mineiro.

Sobre a Bunge Açúcar & Bioenergia

Uma das companhias líderes na produção de etanol, açúcar e bioenergia no Brasil, a Bunge Açúcar & Bioenergia tem capacidade de moagem de 22 milhões de toneladas por ano em suas oito usinas estrategicamente localizadas nas regiões Sudeste, Norte e Centro-Oeste do país. Cinco de suas usinas formam um cluster, gerando economias de escala e sinergias para o negócio. Com instalações de cogeração, a empresa produz energia renovável para atender de forma autossuficiente suas próprias usinas e tem capacidade de exportar 640 GWh para rede nacional.

Sobre a Usina Cerradão

A Usina Cerradão está localizada no município de Frutal (MG), operando desde 2009 e pertence ao Grupo Cerradão, controlado pela JP Andrade Agropecuária e pela Holding Queiroz de Queiroz. O Grupo é a concretização do projeto de investimento concebido para a exploração agroindustrial sustentável da cana-de-açúcar na região e composto também pela Agrícola Cerradão Ltda., Bioenergia Cerradão Ltda., e Levedura Cerradão Ltda. Há mais de uma década atuando no Triângulo Mineiro, a Usina Cerradão vem contribuindo para o desenvolvimento local, gerando emprego e renda para o município e região. Na safra 2017/2018 foram esmagadas 3.116.907 toneladas de cana-de-açúcar, gerando números significativos na produção de açúcar e álcool, além da cogeração e exportação de energia elétrica que chegou a 169.777 MWh. A Usina Cerradão investe constantemente em novas tecnologias, na expansão das áreas agrícolas e na produção sustentável, prezando pela vida de seus colaboradores e pela preservação dos ecossistemas envolvidos.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.