Seis pessoas são indiciadas por compra de voto em Carmo do Paranaíba

Segundo as investigações, caso teria ocorrido em 2012.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A Polícia Civil de Minas Gerais, por meio da Delegacia de Polícia de Carmo do Paranaíba/MG, concluiu no dia 24/09/2020 um inquérito policial em que apurou crime de compra/venda de votos.

A investigação demonstrou que em 2012 um candidado a prefeito da cidade de Arapuá-MG se deslocou até Carmo do Paranaíba-MG, nas vésperas das eleições municipais do referido ano, com intuito em comprar diretamente o voto de, pelo menos, cinco eleitores identificados.

A compra de votos ocorreu mediante doação de dinheiroem espécie, entre R$ 50,00 (cinquenta reais) e R$ 100,00(cem reais) por cada eleitor, além de promessas de construção de casa e emprego aos familiares dos eleitores. Além disso, as informações coletadas na apuração do delito demonstram que o então candidato teria doado dinheiro para eleitores pagarem passagens de ônibus no deslocamento de Carmo do Paranaíba até Arapuá. A investigação demonstrou, ainda, que o então candidato custeou combustível para abastecimento de veículo de eleitores, objetivando o transporte intermunicipal dos envolvidos.

A Polícia Civil indiciou o investigado, bem como os eleitores que anuíram as promessas em troca de seus votos, em concurso, pela prática do crime eleitoral disposto no artigo 299, caput, do Código Eleitoral (Lei 4737/65). No total, 06 (seis) pessoas foram indiciadas.

A Delegacia de Polícia Civil em Carmo do Paranaíba informa que está atenta às condutas de candidatos e eleitores, zelando pela garantia de um processo eleitoral democrático e regado de lisura, defendendo para que o voto de cada cidadão seja de forma legal, livre e consciente. O direito ao voto é uma conquista histórica e simboliza a soberania popular.

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS