Santa Casa dependerá da diminuição da COVID-19; entenda

Informação foi divulgada pelo Conselho Municipal de Saúde de Patos de Minas.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A Santa Casa de Misericórdia de Patos de Minas foi apresentada oficialmente ao Conselho Municipal de Saúde durante reunião na tarde de quarta-feira (30/06) no auditório da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE. Os conselheiros conheceram as propostas da nova unidade hospitalar.

A reunião extraordinária do conselho foi realizada pela presidente Fátima Gomes e contou com a participação do presidente da Santa Casa de Misericórdia de Patos de Minas, Marco Antônio Nasser de Carvalho, do prefeito de Patos de Minas, Luís Eduardo Falcão e da secretária municipal de saúde, Ana Carolina Magalhães. Também estiveram presentes vereadores, diretoria do Hospital de Campanha, profissionais de saúde e representantes da APAE.

Segundo o conselheiro estadual de saúde, Pedro Cunha, as principais dúvidas esclarecidas foram:

  • A Santa Casa atenderá 100% SUS;
  • O prédio será cedido pela FEPAM e o início da ampliação será imediata;
  • A Santa Casa entrará com a gestão e ampliação;
  • O município entrará com os equipamentos existentes e já instalados no Hospital de Campanha;
  • Serão 70 leitos clínicos, 30 leitos de UTI adulto, 20 leitos de UTI neonatais além de hemodiálise e maternidade;
  • Os trabalhadores serão contratados pela Santa Casa, dando preferência para os profissionais que já atuam no Hospital de Campanha;
  • O início dos atendimento será assim que houver a diminuição das internações de COVID-19;
  • A Santa Casa de Misericórdia terá uma ala exclusiva para pacientes com COVID-19;
  • A documentação está adiantada, inclusive com o Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde – CNES.

O prefeito Falcão, disse que a UPA será reformada e ampliada.  Ele informou que serão priorizados investimentos na Atenção Primária.

Pedro Cunha ressaltou que todos ficaram entusiasmados e ao mesmo tempo aliviados. Com este novo instrumento resolve-se uma parcela da defasagem de leitos no município.

O conselheiro estadual disse também que outras ações precisam serem implementadas, como a ampliação de leitos no HRAD, com a retirada da casa da gestante de dentro da unidade, com a transferência do hemocentro para um local mais apropriado. “Também é necessária a implantação do SAMU regional, que regula e organiza a urgência e a emergência e leva aporte financeiros para todos os hospitais da Rede de Urgência e Emergência”, finalizou Pedro Cunha.

 

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.