Rio cria Conselho Estadual de Defesa e Promoção da Liberdade Religiosa

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Decreto do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, publicado hoje (19) no Diário Oficial, criou o Conselho Estadual de Defesa e Promoção da Liberdade Religiosa. A medida marca o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, comemorado no próximo domingo (21). De acordo com o decreto, o órgão será coordenado pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDHMI).

O titular da SEDHMI, Átila Alexandre Nunes, disse que esse é o primeiro Conselho Estadual da Promoção da Liberdade Religiosa no país. “É uma conquista única, principalmente considerando o momento de intolerância que nós estamos passando no nosso país. Não é um fenômeno só estadual, mas nacional. Os números do Disque Direitos Humanos do Ministério [dos Direitos Humanos] deixam ver, de forma muito nítida, o aumento exponencial do problema no Brasil”, disse Nunes.

- Continua depois da publicidade -

O conselho será formado por 32 pessoas, das quais 24 serão indicadas pela sociedade civil, movimentos sociais e organizações religiosas. Oito integrantes serão vinculados à administração pública, por meio de representantes das secretarias de Educação, Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos, Segurança, da Cultura, de Ambiente, de Saúde e de Administração Penal. A Defensoria Pública também terá um membro no conselho. Entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) serão convidadas a participar de maneira pontual ou permanente.

Políticas públicas

O conselho ajudará a SEDHMI a elaborar e desenvolver políticas públicas sobre o tema da intolerância religiosa. “A ideia, inclusive, é que a gente possa atuar de forma conjunta no recebimento de denúncias para que possamos ter ainda mais canais de diálogo com a sociedade”, disse o secretário.

O conselho se reunirá mensalmente para debater o assunto, definir pautas e tomar deliberações. A primeira presidência será exercida pelo governo fluminense, alternando-se a seguir com representantes da sociedade civil. Os membros do conselho não serão remunerados. Todo o trabalho administrativo será efetuado pela equipe da própria SEDHMI. “Não haverá qualquer geração de custo para a operação do conselho”, garantiu o secretário.

Átila Nunes informou que o conselho é fruto do Grupo de Trabalho pela Liberdade Religiosa, que atua desde 2011. A expectativa é de que os membros do conselho sejam eleitos entre fevereiro e março, para realização da primeira reunião até o início de abril.

Para dar apoio às vítimas de intolerância religiosa, a Secretaria de Direitos Humanos lançou em agosto o Disque Combate ao Preconceito. As denúncias de atos preconceituosos podem ser feitas pelo (21) 2334 9551.


Problemas em visualizar essa matéria? Clique aqui e confira a íntegra.


Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -