Relatório do Unicef aponta como a pandemia afeta a saúde mental de adolescentes

Brasil ficou no oitavo lugar entre os países com deprimidos

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

No mundo todo, um em cada cinco (19%) adolescentes e jovens de 15 a 24 anos afirmam que são deprimidos ou têm pouco interesse em fazer as suas demandas rotineiras. O dado foi divulgado ontem, 4, no relatório Situação Mundial da Infância 2021 – Na minha mente: promovendo, protegendo e cuidando da saúde mental das crianças, realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O relatório também estima que globalmente, mais de um em cada sete meninos e meninas com idade entre 10 e 19 anos viva com algum transtorno mental diagnosticado e que quase 46 mil adolescentes morrem por suicídio a cada ano, uma das cinco principais causas de morte nessa faixa etária.

O estudo é uma prévia da pesquisa internacional com crianças e adultos em 21 países conduzida pelo Unicef em parceria com a Gallup. Foram entrevistadas aproximadamente 20 mil pessoas, por telefone, em 21 países. Os resultados completos serão divulgados em novembro.

O Brasil também está entre os países com entrevistados pela pesquisa. No nosso caso, a porcentagem de pessoas deprimidas na faixa etária em análise é maior que a média, sendo 22% dos adolescentes e jovens de 15 a 24 anos que afirmaram se sentirem, muitas vezes, deprimidos ou sem interesse. O país ficou em oitavo lugar no ranking dos 21 países. Camarões aparece em primeiro lugar, com uma porcentagem de 32%. Em último lugar, está o Japão, com 10%.

“O país fica em um patamar preocupante, mas não é o pior. Há países que não têm instituições fortalecidas nem políticas públicas com o histórico que tem o Brasil”, ressalta a oficial do Unicef no Brasil na área de Desenvolvimento de Adolescentes, Gabriela Mora.

Para Gabriela, é importante valorizar as políticas públicas e as instituições que já vêm trabalhando nessa questão, ampliando a oferta de serviços psicológicos em todo o país. Ela reforça ainda que é preciso que diversas áreas se organizem, incluindo assistência social, educação e saúde, para oferecer atendimento e encaminhamento adequado àqueles que precisarem.

Pandemia fez aumentar urgência em discutir tema

O relatório destaca que todo esse cenário já era preocupante antes da pandemia, mas foi intensificado por ela. De acordo com o Unicef, pelo menos uma em cada sete crianças foi diretamente afetada por lockdowns, enquanto mais de 1,6 bilhão de crianças sofreram alguma perda relacionada à educação.

Outros aspectos como a ruptura com as rotinas, a recreação e a preocupação com a renda familiar e com a saúde dos familiares na pandemia estão deixando muitos jovens com medo, irritados e preocupados com seu futuro.

“Ainda é um tabu falar de saúde mental. A pandemia nos trouxe a urgência desse tema, de quebrar esse tabu e de falar de forma acolhedora, de fomentar espaços de escuta de crianças e adolescentes. É importante levar a sério. Quando [crianças e adolescentes] estão passando por um sofrimento, escutar, reconhecer isso e dar o apoio necessário”, conclui Grabriela Mora.

 

*com informações da Agência Brasil

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

 

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.