Rei Momo abre carnaval do Rio em cerimônia no Palácio da Cidade

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

O Rei Momo abriu oficialmente hoje (9) o carnaval do Rio de Janeiro, em uma cerimônia no jardim do Palácio da Cidade, com a presença do prefeito Marcelo Crivella, No ano passado, a prefeitura transferiu a cerimônia para o Sambódromo, e a festa foi aberta sem a presença do prefeito.

Tradicionalmente, a chave da cidade é entregue ao Rei Momo na sexta-feira antes do Carnaval, o que marca a abertura oficial da folia no Rio de Janeiro. A chave passa o ano sob a guarda do Instituto Cultural Candonga, que traz o artefato simbólico para que o prefeito entregue ao Rei Momo. Apesar de estar presente, Crivella não entregou a chave, que passou diretamente do Instituto Candonga para o Rei Momo, Milton Júnior, que há seis anos faz a declaração oficial de abertura.

"Vamos brincar com consciência, nos divertir à exaustão, mas com consciência e sem violência. Muita união e muita paz. Declaro agora, oficialmente, aberto o carnaval do Rio de Janeiro!", disse o Rei Momo, ao lado de sua corte e da secretaria municipal de Cultura, Nilcemar Nogueira, e do presidente da Riotur, Marcelo Alves.

Ao discursar, o prefeito afirmou que o carnaval é um momento paradoxal, que traz otimismo e esperança no meio de um cotidiano de desigualdade e violência. Crivella negou ter preconceito contra a festa e disse que ele é que foi sempre discriminado desde que se converteu à Igreja Universal.

"Não é verdade quando as pessoas dizem que o prefeito tem qualquer tipo de preconceito contra o carnaval. Até porque sou alvo de muito preconceito e discriminação, e entendo, e é assim desde criança, desde o tempo em que me converti", disse Crivella, que afirmou ter feito todos os esforços possíveis para que o carnaval deste ano tivesse sucesso e brilho.

Visita ao Sambódromo

Antes da solenidade, o prefeito fez uma vistoria no Sambódromo, que estava marcada para 10h, mas ocorreu antes do horário previsto. Na Marquês de Sapucaí, Crivella visitou camarotes, conheceu as estruturas de som e iluminação do Sambódromo e chegou a ser atingido por um jato de água de um hidrante. Após a visita, ele brincou: "Se o bombeiro encostar ali, vai poder apagar incêndio até no Catumbi [bairro vizinho ao Sambódromo]".

Jornalistas que acompanhavam a visita perguntaram se Crivella entregaria a chave ao Rei Momo, e ele respondeu que a entrega simbólica estava virando "um dogma religioso". Naquela altura da manhã, a informação oficial era de que a cerimônia de entrega das chaves seria fechada à imprensa.

"Esse negócio de entrega das chaves está virando um dogma religioso. A vida inteira, entregaram-se as chaves ao Rei Momo. Melhorou a educação? Melhorou a saúde?", questionou o prefeito, que continuou: "Não vejo a importância, esse enfoque tão grande, que se dê meramente a uma chave. Não consigo ver a importância disso".

Crivella afirmou que o Carnaval é importante, como um momento de aplaudir o "esforço extraordinário" de pessoas que são, em sua maioria, simples e humildes, mas ponderou: "Na escala das hierarquias, é uma festa. É uma festa apenas. Bem representativa desse esforço de ressuscitar de nossas tragédias".

FONTE: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.