Região do país, educação e idade são determinantes para a posse de planos de saúde, revela IESS

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Estudo inédito aponta que chance de contar com o benefício sobe com o passar dos anos e o aumento do nível de instrução

Resultado de imagem para planos de saude
Foto: Divulgação
Estudo inédito produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) aponta que o local de residência, a idade e o nível de educação são fatores determinantes para uma pessoa contar com um plano de saúde individual no Brasil. Segundo o levantamento, esses planos atendem a pessoas mais velhas e com maior prevalência de doenças crônicas do que a média da população brasileira. A íntegra do estudo “Determinantes para a posse de plano de saúde” está disponível no portal do IESS: http://www.iess.org.br.
“O plano de saúde se estabelece a partir do mutualismo e do subsídio intergeracional. Isso significa, na prática, que o equilíbrio econômico, financeiro e assistencial do sistema se baseia no fato de que os mais saudáveis e mais jovens assumirão uma conta maior para que os menos saudáveis e mais idosos tenham um custo menor quando considerado o perfil de uso”, explica Luiz Augusto Carneiro, superintendente-executivo do IESS. “O estudo identifica uma situação de risco de desequilíbrio nesse sistema hoje no Brasil: a maioria dos beneficiários desses planos são pessoas com idade mais avançada e que mais precisam dos serviços de saúde, sem o contrapeso da participação dos mais jovens e mais saudáveis”, analisa.
Na prática, esse processo gera um risco conhecido como “seleção adversa”: a maioria dos contratantes dos planos é formada por pessoas que necessitam de cuidados de saúde e usam o benefício para acessar esses serviços. Sem a contrapartida da participação daqueles que usam menos o serviço, pode haver desequilíbrio do sistema e um aumento significativo dos custos, exigindo a compensação nas mensalidades ou tornando os custos do produto mais elevados. “Esse padrão é negativo, pois tende a encarecer o sistema como um todo, dificultando o acesso para pessoas mais saudáveis e pondo em xeque, em última análise, a sustentabilidade da saúde suplementar”, avalia Carneiro.
A cada ano de vida, a probabilidade de possuir um plano de saúde individual aumenta em 0,13%. O que significa que pessoas mais velhas e, portanto, com mais chance de apresentarem problemas de saúde mais graves, tendem a procurar mais os planos de saúde individuais. Fato evidenciado pela média de idade dos beneficiários de planos individuais, que é de 47,7 anos. O que representa 8,8 anos a mais do que a média de população brasileira: 38,9 anos. Já a prevalência de ao menos uma doença crônica aumenta a possibilidade de adquirir o benefício em 1,22%.
Ter um plano de saúde é o terceiro maior desejo do brasileiro, segundo pesquisa do Ibope/IESS. De acordo com o novo estudo, um residente da região Sudeste tem 3,2% mais chance de contar com o benefício do que outro da região Sul. Já os Nordestinos têm, em relação a quem vive no Sul, 2,06% menos probabilidade de contar com o benefício. “Essa probabilidade está intimamente ligada a disponibilidade de serviços de saúde”, explica Carneiro. “A infraestrutura de saúde em uma região, ou seja, a oferta de serviços de saúde como ambulatórios, especialistas, hospitais etc., influencia a aquisição de planos na medida em que as pessoas se interessam mais em possuir o benefício nos locais onde poderão aproveitar mais esses serviços”, comenta.
O estudo também aponta que quanto mais elevado o nível de escolaridade, maior a chance de possuir o plano. Uma pessoa com ensino superior completo tem 9,18% mais probabilidade de contar com o benefício individual do que outra sem ensino formal. Carneiro afirma que isso decorre da relação entre o nível de instrução de uma pessoa sua renda. “A renda continua a ser um fator extremamente determinante de acesso ao benefício. Talvez, com a proposta atual de haver planos de saúde mais acessíveis, hoje em análise pela ANS, é possível que essa condicionante se altere um pouco”, admite.

Déborah Santos

Triângulo Notícias
17/04/2017

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.