Queimadas se tornam frequentes e ameaçam segurança de motoristas no Alto Paranaíba

Vários focos foram registrados pelo Corpo de Bombeiros nos primeiros seis meses de 2017.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Queimadas foram registradas próximas a Lagoa Formosa neste final de semana.
Foto: Reprodução (Patos 1)

Neste período do ano, o clima seco e as chuvas escassas deixam a vegetação suscetível às queimadas. Prova disso é que, no início da tarde deste domingo (23/07), uma queimada criminosa assustou os moradores do Bairro Jardim Botânico, em Lagoa Formosa, assim como motoristas que trafegavam pela BR-354. As chamas se espalharam rapidamente devido à baixa umidade relativa do ar e, em pouco tempo, devastaram uma área que fica entre a rodovia e o bairro. Os bombeiros foram acionados para ajudar a controlar o fogo.

De acordo com dados fornecidos pelo Corpo de Bombeiros, no ano de 2015, em Patos de Minas, foram realizados 254 atendimentos. Já no ano de 2016,  foram registradas 310 ocorrências referentes a incêndios a lotes vagos, vegetação e pastos. No ano de 2017, até 30 de junho, já foram registrados 78 atendimentos.

- Continua depois da publicidade -

O órgão militar sempre realiza ações conjuntas aos meios de comunicação, com o objetivo de mostrar à população os riscos e prejuízos decorrentes dessas ocorrências, e ressalta que os incêndios florestais ou em vegetação colocam em risco pessoas e bens, além de provocar danos ambientais muitas vezes irreversíveis. A grande maioria dessas queimadas é causada pela ação humana. No período de seca, com vento e baixa umidade relativa do ar, pequenas fagulhas podem se propagar provocando um grande estrago.

Portanto, o Corpo de Bombeiros Militar repassa algumas dicas importantes para realizar a prevenção:

• Ao trafegar pelas estradas e rodovias, não lance pontas de cigarro pela janela do veículo, pois, com a baixa umidade desse período, a vegetação seca se incendeia com muita facilidade.

• Ao realizar acampamentos, seja bastante cuidadoso na hora de acender fogueiras, velas e lampiões. Só acenda as fogueiras após limpar bem o local, retirando completamente a vegetação em volta. Procure fazer sua fogueira em local aberto, como, por exemplo, numa clareira ou à beira do rio, para que o fogo não prejudique os galhos e folhas das árvores que estejam em volta ou acima dela. Quando não for mais utilizar a fogueira, certifique-se que as brasas estão apagadas e resfriadas. Se possível, enterre o as sobras de material (carvão, brasas e cinza). Não jogue os restos da fogueira no rio. Nunca se ausente do acampamento deixando para trás a fogueira acesa ou com torrões em brasa.

• Não jogue lixo por aí. As latas de metal, os cacos e garrafas de vidro podem se aquecer ao sol e acabar dando origem às queimadas.

• Quanto às fazendas, é recomendável que se realize aceiros junto às divisas, próximo às residências, barracões, currais e silos, pois os focos em outra propriedade podem atingir seu terreno em caso de queimada.

• Caso necessite realizar uma queimada controlada, deverá solicitar autorização a um escritório do Instituto Estadual de Florestas (IEF).

• Na cidade, é recomendável que os lotes vagos sejam mantidos limpos. Nunca utilize de fogo para esse serviço. O ideal é a capina. Aos vizinhos de lotes que estejam sujos, o Corpo de Bombeiros orienta que seja feito a comunicação junto à Secretaria do Município responsável pelo assunto, para que seja realizada a notificação do proprietário. E para prevenir prejuízos em sua edificação, é viável que seja feito aceiro junto à divisa, próximo ao muro, para evitar que sua residência seja atingida em caso de queimada.

• Os motoristas, nas rodovias, ao se depararem com densa fumaça na via, evitem passar, procurem um local seguro e aguardem. Ao passar, por não ter condições de visibilidade, você pode atingir a contra mão, sair da pista, entre outros acidentes que podem decorrer.

Além dessas dicas, o órgão militar também ressalta: de acordo com o artigo 250 do Código Penal, o crime de prática de incêndio pode levar de três a seis anos de reclusão e multa. Ainda, se o incêndio for praticado em lavoura, pastagem, mata ou floresta, há o aumento de um terço na pena. E se o caso constate a intenção criminosa do praticante, a pena é de detenção de seis meses a dois anos.

Texto: Vanderlei Gontijo (Patos 1)

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -