PT pode sofrer derrota no Acre após 20 anos de domínio

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Aumento de violência é citado como a principal razão para o Acre ter abandonado o PT e se tornado um reduto do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Com brigas internas e o antipetismo em alta, o Partido dos Trabalhadores (PT) pode sofrer uma derrota em um de seus mais antigos redutos eleitorais, o Acre.

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (5) apontou apoio de 51% dos eleitores acreanos a Gladson Cameli (PP) contra 33% para o ex-prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT).

- Continua depois da publicidade -

Caso se confirme esse cenário, será a primeira derrota petista no estado desde 1998.

A perda do Acre é simbólica para o partido. Além de governá-lo há duas décadas, foi em Rio Branco que o PT conseguiu eleger seu único prefeito de capital em 2016 —Marcus Alexandre, que deixou o cargo para concorrer neste pleito.

O aumento da violência é citado como principal razão para que o Acre tenha se tornado, em 2018, um dos principais redutos de Jair Bolsonaro (PSL).

A ascensão do capitão reformado também beneficiou o candidato Gladson Cameli.

“Uns 80%, até mais, dos meus eleitores está casando o voto Gladson-Bolsonaro”, afirma o senador. “E no dia que o Bolsonaro veio muito deles fizeram camiseta [da dupla] por conta própria”, declarou o aspirante ao governo do Estado.

Oficialmente, Cameli apoia o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, para a presidência. Seus apoiadores, porém, não hesitam em pedir voto para Bolsonaro. Além disso, o próprio senador já afirma que, caso haja um segundo turno entre o deputado e Fernando Haddad (PT), abraçará a candidatura do primeiro.

Adaptado da fonte Folha

Let’s block ads! (Why?)

Fonte: Renova Mídia
Texto: Tarciso Morais

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -