Prorrogada por mais 90 dias permanência da Força Nacional no Amazonas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Manaus - Portão principal do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), na capital amazonense (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), na capital amazonenseMarcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Justiça prorrogou por mais 90 dias a permanência da Força Nacional de Segurança Pública no Amazonas para ações de apoio ao sistema prisional do estado. A portaria que prorroga o prazo está publicada na edição de hoje (11) do Diário Oficial da União.

- Continua depois da publicidade -

A contagem do prazo inicia em 31 de dezembro, quando vencerá a portaria em vigor. Assim, os militares permanecerão no Amazonas até o dia 31 de março de 2018.

A atuação da Força Nacional no Amazonas ocorre a pedido do governador com o propósito de apoiar as ações da Polícia Militar no controle do sistema prisional.

A portaria prevê a continuidade das ações de policiamento ostensivo, na modalidade de radiopatrulhamento, nos perímetros externos de unidades do sistema prisional. De acordo com o Ministério Justiça, a operação no Amazonas teve início no dia 10 de janeiro deste ano.

No início do ano, o sistema prisional do estado registrou uma série de rebeliões em diferentes unidades. A maior delas ocorreu no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em 1° de janeiro deste ano, quando 56 detentos morreram e 119 fugiram.  A conclusão do inquérito da Polícia Civil é que as mortes ocorreram por rivalidade entre as duas facções criminosas do presídio: a Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC).


Problemas em visualizar essa matéria? Clique aqui e confira a íntegra.


Fonte: Agência Brasil

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -