Projetos de escolas estaduais mineiras são destaques em feira científica da UFV

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Em muitas escolas da rede estadual de ensino de Minas Gerais, a iniciação científica já está consolidada e é atividade primordial na grade curricular de estudantes de diferentes modalidades de ensino. Prova disso é a Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro, em Mateus Leme, que, mais uma vez, conquistou prêmios com trabalhos científicos realizados por alunos dos ensinos fundamental e médio.

Com nove pesquisas finalistas na Feira de Ciências, Tecnologia, Educação e Cultura (Fecitec) da Universidade Federal de Viçosa (UFV), a instituição garantiu cinco premiações em diferentes categorias e credenciais para eventos nacionais e internacionais. 

- Continua depois da publicidade -

“Não há felicidade maior para uma professora do que ver seus alunos brilharem, serem reconhecidos e premiados”, comemora Fabíola Fonseca, docente e orientadora de alguns trabalhos

Diversos projetos desenvolvidos por estudantes de escolas estaduais se destacaram na 4ª edição Fecitec/UFV, realizada em outubro, no campus Florestal. De acordo com os critérios estabelecidos no edital da feira, a comissão julgadora classificou os três melhores trabalhos de cada nível de ensino por área e/ou subárea de conhecimento. As unidades da rede estadual conquistaram 37 colocações entre os três primeiros lugares de cada categoria.

A Escola Estadual Domingos Justino, de Mateus Leme, que vem colecionando premiações em todo o país, foi um dos grandes destaques da feira.

Na categoria Ciências da Saúde, as irmãs gêmeas Lohana Tomaz Silva e Lorena Tomaz Silva, estudantes do 1º ano do ensino médio, apresentaram a pesquisa “A batata milagrosa: Estudos das propriedades medicinais e características botânicas”. Elas conquistaram a 1ª colocação, com nota máxima, e seis credenciais para eventos científicos no Equador, Inglaterra, Escócia, Rússia e em Portugal, nas cidades de Braga e Porto.

“São três anos de muito esforço e aprendizagem. Essa premiação na Fecitec foi um dos melhores resultados já conquistado por nós em feiras de Ciências com o projeto”, comenta Lohana.

Sonhando em seguir carreira acadêmica na área de Biologia ou Bioquímica, Lohana explica que o trabalho busca descobrir quais as características medicinais e metabólicas do vegetal contribuem para a cura do câncer.

“Conhecida popularmente como batata milagrosa, a planta ornamental possui potente ação contra tumores cancerígenos, principalmente de pulmão, e auxilia no tratamento de doenças crônicas e feridas cutâneas”, diz a jovem, acrescentando que a experiência com iniciação científica já no ensino médio contribuirá para um futuro promissor no ensino superior.

A professora Fabíola Fonseca, que é a orientadora das alunas, destaca que a motivação dos estudantes pelo estudo científico é um dos fatores que colabora para a instituição sempre ser premiada em eventos como a Fecitec/UFV.

“O ingresso deles na iniciação científica ocorre gradativamente, primeiro com a feira da própria escola, e, depois, em outros encontros externos. Porém, percebemos que boa parte continua desenvolvendo estudos mesmo sem obrigatoriedade por parte da escola”, afirma a educadora que ressalta o amadurecimento dos estudantes. “Aos poucos, eles começam a gostar e passam a legitimar seu lugar no espaço escolar. Tornam-se mais conscientes, críticos, responsáveis e aprendem a defender e a valorizar suas ideias e seus trabalhos”, conclui.

Premiações

A Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro também conquistou dois segundos lugares com os projetos “Caracterização Fitoquímica dos Tubérculos da Planta Inhame” e “Sustentabilidade: Lixo”, desenvolvidos por alunos do ensino fundamental. Os projetos concorreram, respectivamente, nas categorias Ciências Biológicas e Ciências Sociais Aplicadas.

A escola também garantiu dois terceiros lugares – com as pesquisas “Reciclando”, na categoria Multidisciplinar, e “Jogo multifuncional sensorial”, na categoria Ciências Humanas, apresentadas, respectivamente, por estudantes dos ensinos fundamental e médio. “Participamos da Fecitec/UFV desde a sua segunda edição e sempre trouxemos prêmios para a escola”, lembra Fabíola.

Gustavo Henrique Santos, responsável, juntamente com as estudantes Sarah Maria de Oliveira e Gabriela Fernanda Oliveira, pelo trabalho “Sustentabilidade Lixo”, conta que a premiação representa reconhecimento e valorização. A ideia do estudo é disseminar entre os moradores do município informações sobre o lixo e reciclagem.

“É a primeira vez que fomos premiados em um evento científico. É um fator motivador para continuarmos investigando e ajudar a cidade a caminhar para um futuro mais sustentável”, diz.

Na Fecitec/UFV, que chegou àsua quarta edição em 2017 e foi realizada no final de outubro, foram apresentados 146 projetos no total, sendo 104 realizados por estudantes do ensino médio/técnico, 39 do ensino fundamental, de instituições públicas e privadas de diversos municípios mineiros, além de três pesquisas de discentes do ensino superior.

Veja a lista completa dos trabalhos premiados na 4ª Fecitec/UFV: http://eventos.caf.ufv.br/feiraciencias/?page_id=1798.

Tradição

Segundo Fabíola Fonseca, a iniciação científica e a participação em eventos na área já é uma tradição na Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro.

“Além de um trabalho exaustivo quanto à escrita e apresentação de trabalhos científicos, estimula a continuação dos projetos e, assim, os estudantes precisam aprofundar seus estudos e demonstrar avanços significativos para participação na feira interna”, explica a professora de Ciências, ressaltando que os temas investigados são propostos pelos educandos e que o orientador e coorientador apenas os auxiliam para não se distanciarem do foco principal dos projetos.

A professora destaca o papel da escola em apostar e desenvolver o conhecimento científico entre os jovens estudantes. “Primamos pela integralidade, o trabalho conjunto de todos os membros da instituição. Além disso, prezamos pelo ensino por investigação, metodologia que faz com que os alunos construam caminhos para responder seus questionamentos. A intenção é empossá-los de conhecimentos, mas, primordialmente, formar cidadãos que saibam usá-los de forma crítica e ética”, afirma.

Além das premiações e credenciais na Fecitec/UFV, a escola também conquistou reconhecimento em outros eventos científicos. A estudante do 3º ano do ensino médio, Vanessa Aparecida Vasconcelos, participou da 32ª edição da Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec), no Rio Grande do Sul, e garantiu vaga na edição 2018 da Intel Isef – International Science Engineering Fair. 

Na UFMG Jovem, a instituição levou o 2º lugar geral na categoria Ensino Fundamental; Fabíola Fonseca ganhou o prêmio de Professora Destaque, na categoria Ensino Médio; além de cinco prêmios e quatro credenciais na primeira edição da Feira Mineira de Iniciação Científica (Femic). 


Problemas em visualizar essa matéria? Clique aqui e confira a íntegra.


Fonte: AGÊNCIA MINAS

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -