Produção de farinhas pode se tornar Patrimônio Cultural em MG

O Iepha iniciou um estudo a cerca das farinhas produzidas no estado. Depois ele será apresentado ao Conep para reconhecimento.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Produção de farinhas pode se tornar Patrimônio Cultural em MG
Foto: Divulgação Iepha-MG / Nuhicre

Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) acaba de iniciar a pesquisa sobre a produção das farinhas no estado. A proposta do inventário foi lançada durante as comemorações do Dia do Patrimônio Cultural 2019 – Cozinha e Cultura Alimentar -, no Circuito Liberdade. O projeto tem objetivo de identificar e inventariar os locais de produção, produtos e produtores de farinha de milho e de mandioca que são bases da alimentação de grande parte dos mineiros.

A importância desses saberes e espaços, associados a outros estudos já realizados, motivou o Iepha-MG a começar a pesquisa para identificar os moinhos de milho e as casas de farinha como patrimônio cultural de Minas.

Segundo a presidente do Iepha-MG, Michele Arroyo, o estudo é um desdobramento do inventário do Rio São Francisco, no qual o instituto identificou uma série de práticas culturais vinculadas à cultura alimentar naquela região. “A partir de então, colocamos como prioridade o aprofundamento de tais práticas culturais que são centrais em relação aos modos de vida e suas especificidades no território de Minas Gerais”, destaca Michele.

Produção de farinhas pode se tornar Patrimônio Cultural em MG
Foto: Divulgação Iepha-MG / Nuhicre

Com o inventário das farinhas de milho e mandioca, observa a presidente do Iepha-MG, o Estado dará luz à pluraridade desse fazer cultural. O levantamento, explica ela, será a primeira frente de trabalho para o desenvolvimento do estudo, para “identificar as práticas relacionadas às cozinhas mineiras e sua diversidade em todas as regiões do estado”, salienta.

O cadastramento dos produtores e casas de farinha, neste momento inicial, se dará por meio de formulário eletrônico, disponível no site do Iepha-MG. A expectativa é que prefeituras, pesquisadores e sociedade em geral participem do levantamento. Ao final do estudo, serão propostas medidas de proteção e salvaguarda desses bens culturais. A previsão é que o inventário seja concluído no final de 2020.

Tradição

Produção de farinhas pode se tornar Patrimônio Cultural em MG
Foto: Divulgação Iepha-MG / Nuhicre

Em Minas Gerais, as farinhas de mandioca e de milho estão enraizadas nas receitas e sabores do estado. Elementos importantes, elas se destacam na cadeia produtiva, do plantio e preparação ao consumo. Os moinhos de milho e casas de farinhas são os locais de produção. Representam, também, o sustento de muitas famílias e comunidades.

Para o diretor de Proteção e Memória do Iepha-MG, Fernando Pimenta, os espaços e saberes relacionados são fundamentais para a memória do estado. “A abertura do cadastro das farinhas em Minas Gerais constitui um passo fundamental para a proteção dessa manifestação cultural, com vistas, inclusive, ao seu fortalecimento, diante da disputa de mercado”, afirma.

Ao final do inventário, o estudo será apresentado ao Conselho Estadual de Patrimônio Cultural (Conep) para solicitar o reconhecimento da produção tradicional como patrimônio cultural de Minas Gerais.

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS