Presos são responsáveis por reforma e manutenção do Hospital Eduardo de Menezes

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Capina e limpeza da grande área verde que circunda o Hospital Eduardo de Menezes (HEM) e a reforma do vestiário masculino de servidores são algumas das atividades executadas por sete presos, há menos de uma semana, na unidade da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), localizada em Belo Horizonte, na região do Barreiro.

O aproveitamento da mão de obra prisional em uma instituição de saúde faz parte do Projeto Manutenir, idealizado pela Diretoria de Trabalho e Produção da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap). O projeto consiste na oferta de presos com experiência em serviços de manutenção, construção e reparos em instalações para atuarem em órgãos do Executivo Estadual.

- Continua depois da publicidade -

A equipe de sete presos cumpre pena no regime semiaberto na Penitenciária José Maria Alkimin, em Ribeirão das Neves, de onde saem às 7h da manhã e retornam às 16h, de segunda a sexta-feira. O almoço dos presos é servido no mesmo refeitório dos servidores do HEM. Tanto as despesas com o transporte como a alimentação são custeadas pela Fhemig.  

Antes da chegada dos detentos, a direção do hospital promoveu uma sensibilização com todos os funcionários para comunicar e explicar o projeto, tirar dúvidas e desconstruir possíveis preconceitos. “Nossa política é de recebê-los como se fossem servidores do Estado, com obrigações e direitos. Acredito no sucesso do projeto. É bom para o hospital e para eles”, explica a diretora e médica infectologista, Thaysa Gama.

Crédito: Dirceu Aurélio/Seap

Para formalizar as atividades foi assinado um contrato de seis meses entre o Hospital e a Seap, mas trabalho não falta e, quando se trata de manutenção, “a necessidade é contínua”, reforça a assistente social do hospital, Luciana Paione, uma das responsáveis por coordenar os serviços dos presos. Ela fala com experiência, pois trabalha há 28 anos no hospital.

Daqui a alguns dias, os presos vão começar a reforma de uma das alas do hospital, o que significa mostrar os talentos e habilidades como pedreiro, bombeiro, pintor ou eletricista.

Rogério Moreira Borel, 42 anos, é um dos presos do Projeto Manutenir em atividade no Hospital Eduardo Menezes, capacitado para essa e outras frentes de trabalho. “Vou ajudar em tudo que for possível, tenho experiência de muitos anos como pedreiro”, conta.

Projeto Manutenir

Para o diretor de Trabalho e Produção da Seap, Felipe Oliveira Simões, o projeto representa um exemplo de esforço integrado para vencer dificuldades como a escassez de recursos, trazendo economia e bons resultados. “A sociedade é beneficiada com a melhora da estrutura física de órgãos públicos, possibilitando um atendimento mais humanizado e digno à população”, ressalta o diretor.

Os presos têm direito a remição de pena, um dia a menos para cada três dias trabalhados, e são remunerados com ¾ do salario mínimo. O órgão solicitante é responsável pelo transporte e alimentação,

Crédito: Dirceu Aurélio/Seap

Além do Hospital Eduardo de Menezes, o Manutenir mantém presos cuidando dos 216 mil m² de jardins da Cidade Administrativa. Para este mês estão previstos novos locais de atuação, como o 5º Batalhão da PMMG, os consultórios onde são realizadas as perícias de servidores do Governo do Estado, no edifício Maletta, e o Centro Socioeducativo Santa Terezinha, onde adolescentes cumprem medidas socioeducativas.

Histórico

O Hospital Eduardo de Menezes foi inaugurado, em 1954, com o nome de Sanatório do Estado de Minas Gerais. No início da década de 1980, o sanatório foi transformado no Hospital Eduardo de Menezes, com atendimento para clínica médica e doenças pulmonares. Na mesma década, o HEM abriu leitos para pacientes com AIDS e, pouco tempo depois, tornou-se referência no tratamento da doença e outras infectocontagiosas.

Atualmente, o hospital presta assistência especializada em infectologia e dermatologia sanitária, atuando também na pesquisa, formação e capacitação profissional. O ambulatório do hospital desempenha importante papel fazendo parte do Programa de Integração Adequada dos Portadores de DST/HIV-AIDS do Ministério da Saúde como Serviço de Assistência Especializada (SAE).

*As informações sobre o Hospital Eduardo de Menezes foram extraídas e adaptadas do site da instituição.

Fonte: Agência Minas

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -