Presidente do Cofecon aprova queda da Selic, mas defende nova política fiscal

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

O presidente do Conselho Federal de Economia (Cofecon), Júlio Miragaya, avaliou hoje (7) como positivo a redução da taxa básica de juros, Selic. Na quarta-feira (6), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou a redução para 8,25%. Foi a oitava queda seguida, levando a Selic para seu menor nível desde 2013.

Durante o 22º Congresso Brasileiro de Economia, evento organizado pelo Cofecon, Júlio Miragaya disse que a queda era esperada. "Desde 2015, ainda no governo de Dilma Rousseff, nós já vínhamos cobrando a redução da taxa de juros, porque tínhamos a convicção de que o repique inflacionário tinha três causas, os preços administrados, sobretudo o dos combustíveis; o repasse cambial; e os problemas na safra, que impactaram os preços agrícolas".

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e para controlar a inflação. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo. Por outro lado, quando a inflação se eleva, o Banco Central geralmente responde com um aumento da Selic.

Para Miragaya, o governo federal, tanto sob o comando de Dilma Rousseff como no de agora com Michel Temer, demoraram a baixar a taxa. "Isso só começou no início do ano passado. Evidentemente que isso teve um impacto negativo, porque concorreu para o aprofundamento da recessão. A Selic estava completamente divorciada da necessidade de ativação da economia brasileira".

O presidente do Cofecon defendeu mudanças na política fiscal. "Ficar só cortando investimentos, não leva a lugar nenhum. A atividade econômica retrai e a arrecadação cai. Na crise de 2008, o déficit público dos Estados Unidos chegou a US$ 1 trilhão porque lá eles injetaram dinheiro público na economia para recuperar atividade".

Ele também se disse contra o câmbio flutuante. "Não é do interesse nacional. Ficamos muito vulneráveis ao capital internacional e aos fluxos especulativos e, quando temos uma depreciação da nossa moeda, é mortal para a nossa indústria", avaliou.

Congresso

O 22º Congresso Brasileiro de Economia teve início nesta quarta-feira (6) e conta com mais de 1,5 mil participantes, incluindo renomados economistas brasileiros e também convidados internacionais. Trata-se do maior evento de economia do país. O tema desta edição é “Desenvolvimento Econômico, Justiça Social e Democracia: Bases para um Brasil Contemporâneo”.

A programação prevê debates de temas variados como reforma tributária, infraestrutura do setor elétrico, previdência, agricultura, desenvolvimento industrial, política cambial, papel do estado na economia e jornalismo econômico. No encerramento, será divulgada a Carta de Belo Horizonte, com o posicionamento politico e econômico dos participantes.

Esta edição presta ainda algumas homenagens. Doutor pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinhas (Unicamp), Antonio Correia Lacerda recebeu ontem, durante a abertura, o Prêmio Personalidade Econômica do Ano 2016.

O evento homenageou também Maria da Conceição Tavares, economista portuguesa naturalizada brasileira, que completou 87 anos em abril. Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Estadual da Campinas (Unicamp), ela deu aula para diversos nomes de expressão do cenário político e econômico brasileiro. Em 2010, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), dois de seus alunos, disputaram a presidência da República. Ela também é lembrada pelo seu trabalho na Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), onde trabalhou junto com Celso Furtado.

 

Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.