Prefeitura de Rio Paranaíba responsabilizará empresa que liberou poeira e agrotóxicos no Distrito de Chaves

O poder público se manifestou após publicação de uma matéria no Triângulo Notícias.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Foto: Arquivo - Triângulo Notícias
Os moradores do distrito de Chaves, cansados da negligência de uma determina empresa agrícola, se queixaram acerca do fato de que máquinas que estariam trabalhando em uma lavoura de café dentro do Distrito de Chaves,  esariam liberando grande quantidade de poeira e agrotóxicos.
 
O cafezal está localizado nas proximidades da BR-354 e ocupa um quarteirão inteiro. O proprietário de um comércio situado em frente reclama do descaso. Segundo ele, todos os dias inala poeira e veneno, o que faz mal para a saúde de sua família e de seus clientes. Ele ainda ressalta, que o movimento na mercearia foi prejudicado.
 
Poucos metros a frente, está instalado o único Posto de Saúde. Durante o atendimento, os pacientes e funcionários ficam submetidos ao perigo. “É uma situação complicada a gente vai no médico e ao sair pode contrair uma doença respiratória” afirma uma moradora.
 
Um líder comunitário tentou várias vezes obter uma resposta da prefeitura, porém sem sucesso. “Essa é uma questão de saúde pública, estamos há alguns anos lutando para que o poder público resolva esse problema. Em 2001 a administração desapropriou o proprietário, depois disso houveram promessas mais nada concluso”.
 
Durante o dia os pulverizadores passam liberando agrotóxico no cafezal e com o vento as partículas chegam até as residências. Já durante a noite, os funcionários da empresa fazem uso de sopradores, o que cria uma grande nuvem de poeira. As pessoas reclamam que até o direito ao sono está sendo privado.
 
A intoxicação por agrotóxicos pode ocasionar tonturas, cólicas abdominais, náuseas, vômitos, dificuldades respiratórias, tremores, irritações na pele, nariz, garganta e olhos; convulsões, desmaios, coma e até mesmo a morte. As intoxicações crônicas — aquelas causadas pela exposição prolongada ao produto — podem gerar problemas graves, como paralisias, lesões cerebrais e hepáticas, tumores, alterações comportamentais, entre outros. Em mulheres grávidas, podem levar ao aborto e à malformação congênita.
 
Os riscos são grandes e podem ocasionar problemas em curto, médio e longo prazo, a depender da substância utilizada e do tempo de exposição. Diante dessas queixas, a Prefeitura de Rio Paranaíba, em email enviado a redação do Triângulo Notícias, afirmou que:
 
‘Com relação ao fato narrado, salientamos que a Prefeitura de Rio Paranaíba não foi procurada pela população nesta gestão para relatar o referido problema, não obstante, a administração municipal através de seu setor de fiscalização irá notificar o Proprietário da lavoura nos termos da legislação vigente visando a resolução do problema.’
Continuaremos acompanhando o caso.

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -