PMs salvam bebê que se engasgou em São Gonçalo do Abaeté-MG

Os pais pararam a viatura e pediram ajuda. A recém-nascida foi avaliada por um médico e passa bem.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
PMs salvam bebê que se engasgou em São Gonçalo do Abaeté-MG
Foto: Divulgação (Polícia Militar/MG)

No último sábado (28/09), uma equipe da Polícia Militar foi acionada pelos pais de recém-nascida de apenas quatro dias de vida.

A família mora no Bairro Beira Rio em São Gonçalo do Abaeté. Os pais abordaram uma viatura policial e solicitaram socorro para sua filha que estava engasgada e não conseguia respirar.

Imediatamente o Soldado Otávio Nogueira pegou a recém-nascida no colo. Ela estava sinais vitais fracos, arroxeada e com baixa respiração. O PM iniciou os primeiros socorros através da Manobra de Heimilich. Após certo tempo, a secreção começou a sair pelo nariz e boca e a criança começou a recuperar os sinais vitais e voltar os sentidos.

Enquanto o policial, fazia os primeiros socorros o pai da recém-nascida foi orientado a ir até a base da Via 040 e solicitar uma ambulância de emergência. As enfermeiras constataram que a recém-nascida estava bem graças a ação rápida e presteza da guarnição da Polícia Militar.

PMs salvam bebê que se engasgou em São Gonçalo do Abaeté-MG
Foto: Divulgação (Polícia Militar/MG)

Após a avaliação de resgate da Via 040, os pais foram orientados a irem até o Hospital Municipal São Francisco em Três Marias/MG. Lá o médico de plantão constatou que a menina estava bem e não havia necessidade de ficar em observação hospitalar.

No dia seguinte, domingo (29), os policiais retornaram até a residência e encontrando os pais muito aliviados e agradecidos pela ação da policial militar.

O que fazer quando a criança engasga?

Corpo estranho (CE) é qualquer objeto ou substância que inadvertidamente penetra o corpo ou suas cavidades. Pode ser ingerido ou colocado pela criança nas narinas e conduto auditivo, mas apresenta um risco maior quando é aspirado para o pulmão.

Qualquer material pode se tornar um CE no sistema respiratório, e a maior suspeita de que o acidente ocorreu é a situação de engasgo. Isto ocorre quando a criança está comendo, ou quando está com um objeto na boca, habitualmente peças pequenas de brinquedos.

No Brasil, milho, feijão e amendoim são os grãos mais comumente aspirados na faixa etária pediátrica. Por outro lado, o material mais relacionado a óbito imediato por asfixia é o sintético, como balões de borracha, estruturas esféricas, sólidas ou não, como bola de vidro e brinquedos.

A aspiração de corpo estranho (ACE) é descrita principalmente nas crianças do sexo masculino, o que reflete uma natureza mais impulsiva e aventureira nos meninos. Predomina na faixa etária pediátrica entre 1 e 3 anos de idade, com mais de 50% das aspirações ocorrendo em crianças menores de 4 anos e mais de 94% antes dos sete anos. É na idade até três anos que a criança não controla a mastigação e a deglutição de alimentos, pois não possui os dentes molares, estrutura importante na trituração de alimentos sólidos. A oferta de alguns tipos de alimentos a crianças pequenas, como amendoim, feijão, pipoca e milho, apresentam risco para a aspiração, pois as crianças vão degluti-los sem mastigar, e qualquer distração, risada, brincadeira ou susto pode precipitar o acidente. Além disso, a criança nesta idade possui o hábito de levar objetos à boca, como pequenos brinquedos de plástico ou metal, normalmente de irmãos mais velhos.

Logo após a aspiração de algum objeto, ocorre acesso de tosse, seguida de engasgo, que pode ou não ser valorizado pelos pais. A aspiração também deve ser considerada quando ocorre o primeiro quadro súbito de chiado no peito em crianças sem casos de alergia na família. Tosse persistente, chiado no peito, falta de ar súbita, rouquidão e lábios e unhas arroxeadas, são sinais sugestivos de que pode ter ocorrido a ACE.

Quando a ACE é parcial, a criança pode tossir e esboçar sons. Nesta situação, o melhor procedimento é a não intervenção no ambiente doméstico e encaminhamento a um serviço de saúde, para o tratamento definitivo.

Quando a ACE é total, a criança não consegue esboçar qualquer som, está com asfixia, falta de ar importante e até com os lábios arroxeados. Nesta situação, deve-se proceder da seguinte maneira:

• Maiores de um ano: manobra de Heimlich, que consiste em compressões abaixo das costelas, com sentido para cima, abraçando a criança por trás, até que o CE seja deslocado da via aérea para a boca e expelido.

• Menores de um ano: 5 percussões com a mão na região das costas, a criança com a cabeça virada para baixo, seguida de 5 compressões na frente, até que o CE seja expelido ou a criança torne-se responsiva e reaja.

Se você conseguir visualizar o CE na boca, retire-o com cuidado, mas não tente ir às cegas com o dedo na boca, pois pode provocar lesões na região ou empurrar o corpo estranho para regiões mais baixas, e piorar o quadro de obstrução.

Fonte: Agência Brasil

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.