PCMG promove exposição pelo Dia Mundial da Luta Contra o Racismo em Belo Horizonte

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Exposição retratou a luta pela igualdade racial. Projeto é desenvolvido com o apoio da Polícia Civil de Minas Gerais. 


Representantes da Policia Civil reforçam importância da conscientização para o combate ao racismo e promoção de direitos.
Foto: Divulgação

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), por meio da Coordenação de Direitos Humanos e do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG), abriu, nesta terça-feira (21), a exposição fotográfica “Invisibilidade Social”. A ação visa marcar o Dia Internacional da Luta contra o Racismo, trazendo fotografias do artista Felipe Soares, que realizou uma pesquisa de um homem negro subjugado nas ruas da cidade grande. A mostra pode ser conferida pelo público no hall de entrada do Detran-MG (Avenida João Pinheiro, 417, Funcionários, Belo Horizonte) até sexta-feira (24), das 8h às 17h.
Em 2015, Minas Gerais registrou 113 registros de racismo e 336 de injúria racial. Até novembro de 2016 estes números foram de 301 registros de injúria racial e 100 casos de racismo. Para a coordenadora de Direitos Humanos, delegada Elizabeth Martins, “trazer a arte para gerar a reflexão diante de temas tão relevantes demonstra a preocupação da Polícia Civil em não apenas agir na repressão, mas, principalmente, atuar na prevenção e na conscientização dos direitos”.
O diretor do Detran-MG, delegado Rogério de Melo Franco Assis, reforça a importância da promoção dos direitos dos cidadãos. “O mestre Afonso Arinos de Melo Franco disse que sem respeito à dignidade humana não há justiça, e sem justiça não há direito. Nossa sociedade, cada vez mais, tem que evoluir para que o cidadão tenha acesso ao serviço público com respeitabilidade”, afirma. 
A Polícia Civil de Minas Gerais possui o Núcleo de Atendimento a Vítimas de Crimes Raciais e de Intolerância (Navcradi), que atua no recebimento de demandas espontâneas das vítimas ou encaminhadas pelas instituições parceiras que lutam contra o preconceito racial, de cor, étnico ou religioso. O espaço fica à Rua Bernardo Guimarães, 1.571, 2º andar, Lourdes, na capital mineira, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8:30 às 12h e das 13h às 17:30. O telefone para informações é (31) 3257-7302. 

O 21 de março
Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20 mil pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada resultando em 69 mortos e 186 feridos. Em memória ao Massacre de Sharpeville a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o 21 de março como o Dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial.
Sobre o artista
Felipe Soares é ator, performer e social media. Estuda teatro na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e no Centro de Formação Artística do Palácio das Artes (CEFAR). Em 2012, participou de intercâmbio em Buenos Aires (ARG) no seminário de “Máscara Neutra e Improvisação Teatral”, ministrado por Marcelo Savignone. Em 2014, participou de vivência artística com Bando de Teatro do Olodum em Salvador. Em 2013, atuou no “Cortejo Abre Alas” com o LUME Teatro em Ouro Preto-MG. Ainda com LUME Teatro, participou de uma série de oficinas: “Corpo Multifacetado” com Ana Cristina Colla; “Treinamento técnico do ator” com Jesser de Souza; “O Ator na Rua” com Ricardo Puccetti; “Corpo como fronteira” com Renato Ferracini. Durante cinco anos pesquisou improvisação teatral, entre outros trabalhos.
Polícia Civil de MG
22/03/2017

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -