Patente da Funed prevê o uso do veneno da aranha armadeira para o controle da dor

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Pesquisadores da Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com colaboradores da Santa Casa de Belo Horizonte, investigaram uma maneira de transformar o veneno de uma aranha bastante agressiva em medicamento contra a dor. 

A toxina estudada foi a da aranha venenosa Phoneutria nigriventer. Popularmente conhecida como armadeira ou aranha de bananeiras, ela é responsável pela maioria dos acidentes com aracnídeos.

- Continua depois da publicidade -

Os resultados do grupo, publicados com o título Sequência de Nucleotídeos, Proteína Recombinante, Composições Farmacêuticas e Usos, foram promissores e deram origem a um recente pedido de depósito de patente no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

A pesquisa
 
O estudo tem como foco a atividade terapêutica do veneno da aranha, a partir da obtenção da toxina PnTx3-5. A investigação revelou eficácia da toxina na inibição funcional de um dos receptores transitórios do organismo – o TRPV1.  Os receptores TRP são ativados por mudanças na temperatura ambiente, do frio intenso ao calor excessivo. Em caso de alguma disfuncionalidade no receptor, o corpo fica mais suscetível a algumas doenças, com ocorrência de dores – aguda e crônica, inflamatória e neuropática – resultantes de eventos fisiológicos.

Os resultados que originaram a patente poderão ser utilizados futuramente como modelo para o desenvolvimento de medicamentos que inibem a atividade desse receptor, amenizando os impactos destas doenças. Os pesquisadores esperam que, com isso, investidores se interessem em fomentar a produção de novo medicamento.

Origem 
 
Os trabalhos de pesquisa para a obtenção da toxina PnTx3-5 iniciaram-se na Funed há mais de 20 anos, sob a orientação do professor Carlos Ribeiro Diniz. Mais tarde, momento em que as toxinas já estavam purificadas, houve a colaboração do professor Michael Richardson para a determinação estrutural da referida toxina e de outras do mesmo grupo.

“A estrutura primária, isto é, a sequência dos resíduos de aminoácidos desta toxina, foi descrita e publicada na revista Toxicon, vol. 31, nº 1. pp. 33-42, em 1993. Uma vez purificada e caracterizada estruturalmente, essa molécula ficou armazenada no freezer por vários anos, até mais ou menos 2008/2009″, conta a responsável pela condução do estudo, Marta do Nascimento Cordeiro.

Naquele momento, prossegue Marta, “o pesquisador Marcus Vinícius Gomez e sua equipe do Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) da Santa Casa de Belo Horizonte iniciaram os estudos farmacológicos utilizando a toxina, ratificando a parceria com a Funed”, complementa a também pesquisadora do Serviço de Proteômica e Aracnídeos (SPAR), da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD) da Funed.

Trabalho em ação

Cada aranha produz em torno de 10-12 microlitros de veneno, o que corresponde, em média, de 1,0 a 1,50 miligramas de proteína. São realizadas sucessivas extrações do veneno até obter-se em torno de 1g de veneno necessário para o processo de purificação das toxinas e de outros componentes de interesse.

Uma vez alcançada a quantidade suficiente, inicia-se o processo de obtenção da toxina, processo trabalhoso e demorado, que é feito por meio do fracionamento multidimensional em sistemas de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC: Cromatografia Líquida de Proteína com Alta Resolução).

​Na primeira etapa de obtenção das toxinas, obtém-se aproximadamente 80 componentes do veneno. Cada um desses componentes é submetido a sucessivas etapas de purificação de tal forma que o processo é iniciado com um 1,0 grama de veneno e obtêm-se, ao final, em torno de mais ou menos 50 microgramas de cada toxina, razão pela qual esse processo é contínuo, sempre processando novo lote de veneno, para que se obtenha mais toxina para dar continuidade aos estudos farmacológicos.
 
Ainda no Serviço de Proteômica e Aracnídeos (SPAR), a toxina recém obtida é submetida à análise para verificar se está realmente pura, ou seja, processo de validação para confirmar ausência de contaminantes e, em seguida, a determinação de sua estrutura primária, isto é, a sequência dos resíduos de aminoácidos na molécula da toxina. Esse trabalho trabalho é realizado pela pesquisadora Márcia Helena Borges e equipe.

“Só após esse processo a toxina está pronta para ser entregue aos pesquisadores e a nossos colaboradores, que fazem o estudo da atividade farmacológica de cada uma das toxinas por nós obtidas de forma pura e caracterizada estruturalmente”, detalha Marta.

Ela acrescenta, ainda, que os pesquisadores – ao concluírem os estudos farmacológicos e a análise dos resultados obtidos com a toxina – decidiram, em comum acordo com os pesquisadores que purificaram e caracterizaram estruturalmente a toxina, submeter o pedido de depósito de patente no INPI.

Phoneutria nigriventer

A aranha armadeira – que produz o veneno utilizado para obtenção da toxina – é conhecida por ser uma aranha errante, que não constrói teia para capturar suas presas. É uma caçadora ativa e domina suas presas pelo seu veneno extremamente neurotóxico.

Durante o dia, a espécie esconde-se em lugares úmidos e escuros, sendo muito ativa ao entardecer e à noite. Para a obtenção do veneno, elas são capturadas em campo e mantidas no Aracnidário Científico da Funed, onde mensalmente é extraído o veneno pela equipe liderada pela bióloga Maria Nelman Antunes Pereira.

Let’s block ads! (Why?)

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -