Países-membros da OEA querem criar grupo para mediar crise na Venezuela

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os chanceleres dos países-membros da Organização dos Estados Americanos (OEA) se reunirão nesta quarta-feira (31) para debater a situação da Venezuela na sede da organização, em Washington. Durante a reunião, deve ser apresentada a proposta de criação de um grupo de contato para que países do continente ajudem a mediar a crise venezuelana.

O grupo seria constituído nos moldes de outros criados anteriormente, como o Grupo de Amigos da Venezuela, de 2003, e o Grupo de Contadora, de 1983, este criado para mediar a crise na América Central. O Brasil deve apoiar a criação do grupo. A proposta precisa contar com dois terços dos votos dos países presentes para ser aprovado. Entre os temas a serem debatidos estão a libertação de presos políticos, a fixação de um calendário eleitoral e o respeito à separação de poderes no país.

- Continua depois da publicidade -

A recente onda de protestos antigovernamentais na Venezuela começou no último dia 1º de abril, depois que o Supremo Tribunal assumiu algumas das funções do Parlamento, o que foi visto pela oposição como um “golpe de Estado”.Os protestos se intesificaram ainda mais depois que o presidente Nicolás Maduro anunciou a convocação de uma Assembleia Constituinte.

Reunião de chanceleres

O objetivo das reuniões de chanceleres da OEA é deliberar acerca de problemas de caráter urgente e de interesse comum para os estados membros. Esses encontros acontecem de maneira extraordinária e estão no mesmo nível da instância mais alta da organização, a Assembleia Geral, que este ano acontece entre os dias 19 e 21 de junho, na cidade de Cancún, no México.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, deve participar da reunião nesta quarta-feira (31). No dia seguinte, ele se reúne com o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, e, na sexta-feira, com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson.

Fonte: Agência Brasil

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -