Operação contra milícia no Rio tem 14 presos

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Quatorze pessoas foram presas hoje (25) durante uma operação da Polícia Civil contra a milícia Liga da Justiça no Rio de Janeiro. O grupo, uma das principais quadrilhas armadas que atuam no estado, controla comunidades da zona oeste da capital e da Baixada Fluminense.

A operação teve por objetivo desarticular o braço financeiro da quadrilha que, além de manter controle armado sobre territórios, explora atividades como transporte ilegal em vans, venda de gás e combustíveis, retirada irregular de barro e comércio de mercadorias falsificadas.

Vitória - Polícia Civil do Espírito Santo faz paralisação até a meia-noite de hoje após morte de investigador em Colatina,e por más condições de trabalho (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Polícia Civil (Tânia Rêgo/Arquivo Agência Brasil)

A Liga da Justiça tem sido alvo de várias ações da polícia fluminense. No último dia 6, os policiais invadiram uma festa promovida pela milícia e prenderam mais de 150 pessoas.

“A gente acredita que 70% da arrecadação das milícias advêm das vans, por isso o foco hoje foi a apreensão de vans que eram utilizadas por esses milicianos. Nós estamos com uma investigação permanente contra esse grupo. Hoje foi mais uma ação. A intenção era cumprir alguns mandados de prisão que estavam pendentes, de milicianos foragidos que ainda se encontravam atuando na organização criminosa”, disse o diretor do Departamento de Polícia da Capital, Fábio Barucke.

Dois dos alvos eram os irmãos Wellington e Wallace da Silva Braga. Wellington, conhecido como Ecko, é apontado como o chefe da milícia. Os policiais estiveram hoje na casa de Wallace. No local, foi encontrado um sistema de monitoramento que registra imagens de toda a favela do Aço, em Santa Cruz. Os dois irmãos estão foragidos.

FONTE: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS