Ofensiva foi uma reação aos ataques a civis, diz Pentágono

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
A porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Dana W. White, e o diretor do Estado-Maior dos Estados Unidos, general Kenneth F. MacKenzie Jr, falam sobre a ofensiva à Síria (Agência EFE/Direitos reservados)

A porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Dana W. White, e o diretor do Estado-Maior dos Estados Unidos, general Kenneth F. MacKenzie Jr, falam sobre a ofensiva à SíriaEFE/Jim Lo Scalzo/Direitos Reservados

No dia seguinte à ofensiva à Síria, a porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Dana W. White, definiu hoje (14) o ataque com mísseis como uma operação orquestrada cuidadosamente para evitar maiores prejuízos no futuro. Na entrevista à imprensa, ela justificou a sequência de lançamento de mísseis como reação às evidências de que o regime sírio utilizou armas químicas contra civis em Ghouma Oriental.

White lembrou que o uso de armas químicas em qualquer lugar do mundo é uma violação indesculpável do direito internacional. A porta-voz reiterou que o governo dos Estados Unidos não vai tolerar a utilização desse tipo de armamento em quaisquer circunstâncias. Mais de uma vez, durante a  entrevista, ela ressaltou que a reação norte-americana aos ataques foi uma resposta justificada, legítima e proporcional ao governo Sírio.

Questionada se há provas de uso de armas químicas por ordens das autoridades sírias contra civis, a porta-voz respondeu que o Departamento de Defesa tem "convicção". Mas não forneceu mais detalhes sobre eventuais indícios e provas que sustentaram o ataque contra a Síria.

O diretor do Estado-Maior dos Estados Unidos, general Kenneth F. MacKenzie Jr, afirmou que os ataques foram organizados com o Reino Unido e a França. De acordo com ele, os mísseis foram lançados na direção de três prédios – nos quais seriam desenvolvidos o programa de armas químicas da Síria.

Kenneth disse ainda que os alvos foram definidos de forma cuidadosa para minimizar os riscos e que não tem informações sobre vítimas civis. Para o general, três palavras definem a operação de ontem: precisa, contundente e efetiva.

FONTE: Agência Brasil

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.