OAB/MG promove ato público a favor do pagamento dos depósitos judiciais em várias cidades do interior

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Cerca de 100 subseções promovem manifestação em frente ao fórum local nesta quarta-feira, 19/4.

Foto: Divulgação

Várias subseções da OAB em Minas Gerais atenderam ao pedido do presidente seccional, Antônio Fabrício Gonçalves, e organizaram para esta quarta-feira (19/4), ato público a favor do pagamento dos depósitos judiciais.
No último dia 31/3, em ato público realizado em frente ao Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, Antônio Fabrício solicitou que os advogados de todo o estado se mobilizassem para que o direito de receber os alvarás seja garantido.
A manifestação deve acontecer em cerca de 100 municípios e será realizada em frente aos fóruns locais, a partir das 14:00. As subseções de Uberlândia, Juiz de Fora, Uberaba, Pouso alegre, Teófilo Otoni, Governador Valadares, Contagem, Divinópolis, Varginha, Betim, Sete Lagoas, Poços de Caldas, Passos, Araguari, Manhuaçu e Montes Claros confirmaram a realização do ato.
OAB/MG recorre ao Supremo
No mesmo dia (19/4), o presidente da OAB/MG, Antônio Fabrício Gonçalves, e o vice-presidente do Conselho Federal, Luís Cláudio Chaves, irão ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar solucionar o problema dos alvarás sem fundo.
Na audiência com o ministro Alexandre de Moraes, relator do processo, a OAB/MG vai mostrar o impacto da suspensão dos pagamentos dos alvarás para a advocacia e os cidadãos de Minas Gerais.
Por meio da Ouvidoria do Depósito Judicial, a seccional mineira da OAB recebeu mais de mil denúncias de alvarás não pagos, totalizando aproximadamente R$ 18 milhões.
“Vamos solicitar que o STF defina de quem é a responsabilidade pelo pagamento dos alvarás, até que a ADI seja julgada. O cidadão e o advogado não podem ser os maiores prejudicados”, afirmou Antônio Fabrício.
O impasse entre o Governo do Estado de Minas Gerais e o Banco do Brasil sobre o pagamento dos alvarás judiciais começou no final do ano passado, desde que o STF suspendeu a eficácia da Lei Estadual nº 21.720, que autorizava o poder público a fazer uso dos depósitos judiciais, por meio da ADI nº 5.353.
OAB MG
Triângulo Notícias
19/04/2017

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -