OAB quer acompanhar investigações do caso Madalena

Subseção de Patos de Minas encaminhou petição ao Ministério Público do Trabalho manifestando interesse.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Subseção Patos de Minas, anunciou que solicitou ao Ministério Público do Trabalho (MPT) acompanhamento do caso de Madalena Gordiano, suposta vítima de trabalho análogo à escravidão.

O caso veio à tona após reportagem exibida no Fantástico do último domingo (20/12). Madalena teria trabalhado por 38 anos sem receber salário. Além disso, apura-se um suposto “casamento arranjado” para fins de obtenção de pensão por parte da família investigada.

Auditores do MPT e agentes da Polícia Federal (PF) “resgataram” Madalena no mês de novembro, contudo a imprensa local não foi notificada da ação. No domingo, antes da exibição da reportagem, mensagens nas redes sociais indicaram que o principal investigado, Dalton César Milagres Rigueira, seria um advogado, contudo a informação é incorreta. Dalton é zootecnista e professor universitário.

A OAB emitiu uma nota e reforçou que o investigado não possui qualquer vinculo com o Direito. Além disso, solicitou ao MPT autorização para acompanhar o andamento do inquérito civil.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) recebeu a solicitação e analisará a possibilidade de permitir o acompanhamento por representantes da OAB.

Clique aqui e acesse a íntegra da petição da OAB …

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. A responsabilidade dos comentários é integralmente de seus autores. Comentários que são considerados como spam ou ofensivos devem ser denunciados diretamente ao Facebook. O Patos Notícias se reserva ao direito de remover postagens que violem seus termos de uso ou as leis vigentes sem prévia notificação. 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.