Número de militares que atuarão no Rio Grande do Norte sobe para 2.600

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Para garantir a segurança nas ruas das cidades do Rio Grande do Norte durante o réveillon e os primeiros dias do ano, o governo federal colocará em operação, até este domingo (31), cerca de 2.600 homens das Forças Armadas no estado. A previsão inicial era de que 2.000 integrantes do Exército, da Aeronáutica e da Marinha, além da Força Nacional, reforçassem a segurança no estado após a paralisação de policiais militares e civis.

De acordo com o governo no estado, 1.100 militares já estão atuando na Operação Potiguar III. Nas próximas horas, centenas de homens, procedentes de Pernambuco, Alagoas e Paraíba, devem reforçar os trabalhos. Além de Natal, a região metropolitana de Mossoró também receberá os efetivos militares.

- Continua depois da publicidade -

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse que a ação durará 15 dias e poderá ser prorrogada caso necessário para garantir a “ordem e a segurança”. Desde o último dia 19, membros das polícias Militar e Civil e do Corpo de Bombeiros paralisaram parcialmente as atividades em protesto contra o atraso no pagamento do décimo terceiro e de salários atrasados.

“Podemos afirmar que a virada de ano no Rio Grande do Norte será tranquila, e podemos assegurar também aos turistas que podem vir aproveitar todas as belezas e cultura que o estado oferece”, disse, neste sábado (30), em entrevista coletiva na capital do estado, o ministro da Defesa. Já o governador Robinson Faria voltou a fazer um apelo para que os bombeiros e membros das polícias civil e militar voltem o mais rápido às ruas.

O governo do estado informou que 86% dos policiais receberam os vencimentos de novembro. Os demais devem receber na semana que vem. Após o início da Garantia da Lei e da Ordem no Rio Grande do Norte, o governador transferiu para o Exército o controle dos órgãos de segurança pública do estado.

 


Problemas em visualizar essa matéria? Clique aqui e confira a íntegra.


Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -