Norte-americanos reagem ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Instituições contrárias e favoráveis à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de mudar a embaixada norte-americana em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém e reconhecer a cidade como capital do país reagiram hoje (6) em Washington ao anúncio. 

Em frente à Casa Branca, manifestantes protestaram contra a decisão. Kareem El-Hosseiny, coordenador de relações governamentais da organização Americanos Muçulmanos pela Palestina, condenou o anúncio e disse que a decisão de Trump foi tomada “de uma maneira completamente imprudente, sem consultar as pessoas afetadas”. Segundo ele, o problema é que “pessoas que não moram na Palestina acham que podem dizer ao resto do mundo como a população deve viver” e que “Donald Trump está apenas repetindo o mesmo colonialismo branco na Palestina que existiu desde a criação do Estado de Israel”.

Os ativistas Kareem El-Hosseiny, da Americanos Muçulmanos pela Palestina, e Jinan Shbat, do Conselho sobre Relações Américo, protestam em frente à Casa Branca contra anúncio de Trump sobre a Palestina

Os ativistas Kareem El-Hosseiny, da Americanos Muçulmanos pela Palestina, e Jinan Shbat, do Conselho sobre Relações Américo, protestam em frente à Casa Branca contra anúncio de Trump sobre a Palestina Paola de Orte/Agência Brasil 

El-Hosseiny lembrou que desde o plano de partilha da Palestina, em 1947, o status de Jerusalém foi declarado como uma questão a ser negociada ao final de todas as outras, ou seja, só poderia ser decidido depois que as discordâncias sobre todos os outros temas que envolvem o conflito pela região fossem acordadas.

Entre outros obstáculos à paz no Oriente Médio, além do status de Jerusalém, estão a questão das fronteiras do estado de Israel e a dos refugiados palestinos que deixaram o país após a Guerra de Independência, em 1948.

A rabina Alana Suskin também protestava em frente à Casa Branca contra a decisão. Segundo ela, a mudança não promoverá a paz, além de contrariar as recomendações de analistas de segurança e de inteligência, tanto nos Estados quanto em Israel. A religiosa judia acredita ser improvável que outros países sigam o exemplo dos Estados Unidos, conforme foi pedido hoje pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. “Só há uma maneira de alcançar a paz: a maioria dos palestinos e a maioria dos israelenses são a favor de uma solução de dois Estados há décadas”, afirmou. “O único jeito de negociar uma solução de dois Estados é com base nas fronteiras de 1967, com troca de terras acordadas”, acrescentou.

Entre os principais obstáculos para a paz no conflito entre israelenses e palestinos está o status de Jerusalém, que até 1967, era dividida. Durante a guerra dos Seis Dias, seu lado oriental foi ocupado por Israel, que, desde então, governa toda a cidade, que diz ser sua capital, apesar de não ser reconhecida internacionalmente assim, já que palestinos também demandam que Jerusalém seja a capital de seu potencial Estado.

Defesa de Israel 

O diretor-executivo da Coalizão Judia Republicana, Matt Brooks, defendeu a decisão de Trump. Ele diz que o presidente tomou uma posição corajosa que expressa seu compromisso para reparar e fortalecer os laços dos Estados Unidos com Israel, “nosso aliado mais importante no Oriente Médio”. Segundo Brooks, o reconhecimento sempre foi um objetivo da organização. O presidente nacional da coalizão, Norm Coleman, disse que Trump está fazendo “o que ele faz tão bem: reconhecendo a realidade”.

O Comitê Americano de Relações Públicas de Israel também defendeu a decisão, que diz ser um passo que há muito deveria ter sido tomado para garantir a implementação da lei norte-americana, em uma menção ao Ato da Embaixada em Jerusalém de 1995, que decretou que Jerusalém é uma cidade unificada e que deve ser reconhecida como capital do estado de Israel.

O ato também obrigava a embaixada norte-americana a ser realocada de Tel-Aviv para Jerusalém até maio de 1999. Segundo o Comitê, o texto foi aprovado por uma “larga maioria bipartidária”. O ato de fato foi aprovado tanto pela Câmara quanto pelo Senado e, apesar de não ter sido assinado pelo presidente à época, Bill Clinton, tornou-se lei, mas teve sua implementação adiada seguidas vezes pelos presidentes antes de Trump.

O comitê também afirma que mudar a embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém não prejudicará o processo de paz entre israelenses e palestinos, que inclui “estabelecer dois estados para dois povos e resolver a demanda palestina pela parte oriental da cidade”.

Edição: Luana Lourenço

Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles. Ao comentar você aceita nossos Termos de Uso e nossa Política de Privacidade.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.