MPF recomenda exclusão das BR-365 e BR-452 do programa de concessões rodoviárias do estado de Minas Gerais

Análise do edital encontrou aspectos questionáveis do ponto de vista do interesse público, e também inadequações técnicas que contrariam tanto as normas atualmente em vigor quanto estudos periciais.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Foto: Ascom-MPF/MG

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) a exclusão das BR-365 e BR-452 do Programa de Concessões Rodoviárias que está sendo implementado pelo Governo do Estado de Minas Gerais. De acordo com a recomendação, tais rodovias devem permanecer sob domínio da União e gestão do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), para fins de futura concessão, se for o caso, pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A privatização das rodovias federais BR-365 e BR-452 fazem parte do lote 1, que contempla rodovias do Triângulo Mineiro, do programa estadual. Para o MPF, porém, há diversos aspectos questionáveis e até graves irregularidades no edital de concessão.

“Efetuamos uma análise pormenorizada do edital e constatamos que várias cláusulas, além de proporcionar facilidades inexplicáveis à futura concessionária, acarretam enorme insegurança jurídica, com riscos de prejuízo ao erário e aos próprios usuários da rodovia que vão muito além das tarifas abusivas, e resvalam na própria segurança viária e no total descaso com o interesse público”, afirma o procurador da República Cléber Eustáquio Neves.

Segundo o procurador, atualmente, a BR 050, administrada pela Eco050, e a BR 365, sob gestão da Ecovias do Cerrado, possuem pedágio a R$ 0,075 e R$ 0,078 por quilômetro, respectivamente. “Mas a proposta de concessão formulada pelo Estado de Minas Gerais prevê tarifa entre R$ 0,110/km e R$ 0,130/km, em preços de 2020, o que implicará em tarifa superior a R$ 13, sem falar na recomposição inflacionária do período, resultando, em tese, num aumento injustificado superior a 45%”, diz.

A recomendação aponta que o modelo proposto pelo governo mineiro ainda prevê que o incremento do tráfego nas rodovias funcionará como gatilho para o reequilíbrio econômico-financeiro do contrato, o que seria injustificável.

“Não faz nenhum sentido o incremento de tráfego numa rodovia levar ao reequilíbrio do contrato, até porque o aumento de tráfego naturalmente elevará o faturamento da concessionária. Ou seja, se há incremento de tráfego, sem gasto da concessionária, não há qualquer justificativa para esse gatilho”, sustenta o procurador da República.

Além do aumento descabido das tarifas, o MPF também estranha que o edital não preveja a prestação do Serviço de Atendimento Pré-Hospitalar (SAH) pela concessionária, como ocorre nos contratos atuais. “Essa é uma indicação claríssima de que não há uma preocupação com a segurança viária dos usuários do sistema rodoviário, pois o SAH sabidamente salva milhares de vidas todos os anos, principalmente no caso de acidentes que demandam um atendimento rápido e de qualidade, como de acidentes com vítimas presas às ferragens”.

Insegurança jurídica – A recomendação também aponta a existência de conceitos vagos e imprecisos no edital, entre eles, a autorização do poder concedente para o que chama de “investimentos pré-autorizados”. O MPF ressalta que a expressão é “extremamente vaga e frágil do ponto de vista regulatório, até porque o Ente Regulador não pode pré-autorizar nada sem a devida análise do interesse público e de seu projeto”, e potencializa não só o risco de integridade dentro do próprio órgão (corrupção), como a possibilidade de superfaturamento das obras.

Cite-se ainda o fato de que o edital, além de vedar ao poder concedente realizar intervenções no contrato, por outro lado, prevê que a concessionária possa alterar livremente os “parâmetros de desempenho” desse instrumento, inclusive estabelecendo ela própria os prazos para a conclusão das obras.

“Ora, um contrato existe justamente para conferir segurança jurídica a ambas as partes, em especial quando de um lado está o poder público e a sociedade. Neste caso, porém, o que se tem é uma evidente e absurda situação de insegurança jurídica. O Ente Regulador tem por obrigação apresentar objeções a projeto de que discorda, especialmente quando ferir o interesse público e independentemente de ele basear-se, ou não, em apontamentos técnicos da concessionária, até porque se uma solução de projeto não for efetiva, ou viável ao interesse público, é missão do Ente Regulador intervir, justamente para evitar a possibilidade de a concessionária pedir obras extras ou sugerir projetos mirabolantes. O contrato proposto pelo governo estadual, no entanto, inviabiliza totalmente essa possibilidade”, afirma Cléber Neves.

Inadequações técnicas – Também chamou a atenção do MPF cláusulas que tratam de aspectos técnicos, como configuração da pista de rolagem, dos acostamentos e dispositivos de segurança, todas elas com inadequações que contrariam tanto as normas atualmente em vigor quanto estudos periciais.

Cite-se, por exemplo, a permissão de “flechas nas trilhas de roda”, minimamente acima de 5 mm, a partir do 72° mês da concessão, [tendo em vista que, segundo o item 3.2 da norma DNIT 005/2003, não é permitido ter mais de 6 mm de afundamento tipo “trilha de roda” em uma rodovia e 7 mm de altura em pista concedida em fase avançada da concessão, sendo que ao contrário do previsto, deve ser observado o máximo de 5 mm a partir do 72° mês]; a falta de esclarecimentos se, nos trechos novos a serem pavimentados, as pistas novas serão de 3,6 m de largura, qual a classe, se haverá acostamento e qual sua dimensão; a previsão de retirada de terminais de defensas “aéreas” para serviços iniciais [“mas não consta que no lugar dessas defensas “aéreas” devem ser instalados dispositivos que atendam os termos da ABNT 15486, abrindo a possibilidade da concessionária ancorar (ou abater) as defensas aéreas como medida suficiente e postergar ao máximo a instalação dos Terminais Absorvedores de Energia”].

O edital também não define claramente o que são “pontos críticos da rodovia”, embora preveja que a concessionária somente implantará “dispositivos de segurança nos pontos críticos da rodovia” até os 72 meses da concessão.

“Interessante também notar que o contrato prevê apenas 10 km de duplicação numa rodovia com volume diário de tráfego altíssimo, sendo certo que já existe laudo pericial indicando a necessidade de duplicação imediata de todo o trecho entre a BR 365 e a BR 040”, afirma o procurador da República.

Inexistência de agência reguladora estadual – Outra irregularidade apontada pela recomendação está no fato de que o governo mineiro deu início ao programa de concessão e abriu os editais antes mesmo da criação da agência reguladora de transporte terrestre do estado de Minas Gerais.

De acordo com o MPF, a inexistência de um organograma funcional e das normativas da agência “trará insegurança jurídica e tornará os pedágios mais onerosos, como foi o caso das concessões efetivadas na década de 90, quando não havia agência reguladora em nível federal, as quais, hoje, possuem os pedágios mais caros, resultado, especialmente, dessa insegurança jurídica”.

“Some-se a isto a previsão totalmente absurda, presente na minuta apresentada pelo edital, de que o Ente Regulador, portanto, o fiscal do contrato, deverá se submeter ao comando e ordens da concessionária”, destaca Cléber Neves. “Isso é um despautério, pois uma agência reguladora existe exatamente para fiscalizar e fazer cumprir os contratos a ela submetidos. Não é uma discricionariedade. É um poder-dever.”

Finalmente, lembrando também que trecho da BR-365 encontra-se judicializado (Ação Civil Pública nº 0007161-11.2015.4.01.3803, em trâmite perante a 2ª Vara Federal de Uberlândia), inclusive com estudos licitados para sua duplicação, o MPF deu prazo de 10 dias ao Estado de Minas Gerais para o cumprimento da recomendação.

Clique aqui para ter acesso à íntegra da recomendação.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.