Motoristas de vans lotam galerias da Câmara para acompanhar audiência

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os motoristas de transporte alternativo que operam no município do Rio de Janeiro lotam as galerias da Câmara de Vereadores para acompanhar a audiência pública da Comissão de Transportes que vai analisar reivindicações da categoria.

Paralisados desde a meia-noite, os profissionais reivindicam que a prefeitura conclua um processo de licitação, que teve início em agosto de 2016, no qual seriam emitidas 967 novas permissões e formado um quadro de reservas com 828 motoristas.

- Continua depois da publicidade -

Audiência pública na Câmara Municipal do Rio para discutir a situação do transporte alternativo. Durante a audiência, dezenas de vans permanecem estacionadas nas imediações da Câmara, no centro da cidade.

Audiência pública na Câmara Municipal do Rio para discutir a situação do transporte alternativo. Durante a audiência, dezenas de vans permanecem estacionadas nas imediações da Câmara, no centro da cidade. – Tânia Rêgo/Agência Brasil

“Na Câmara Municipal vamos acompanhar a audiência pública junto a Comissão de Transportes para expormos os problemas que afetam a categoria e que não foram atendidas até o momento pela prefeitura”, disse Vitor de Souza Rodrigues, representante do Movimento em Defesa do Transporte Alternativo (MDTA).

“A gente acredita que, por meio da Câmara, que é a casa do povo, os vereadores possam fiscalizar com mais afinco e cobrar do Executivo soluções definitivas para a nossa categoria. É uma luta que vem desde o governo passado sem que nossas reivindicações sejam atendidas.”

Mais cedo, os motoristas saíram em comboio de diversas partes da cidade com destino à Câmara.

Ociosidade

Segundo Rodrigues, diversas linhas licitadas não dão retorno aos permissionários e também não atendem às reivindicações dos usuários.

“Nós queremos uma reorganização dos itinerários de modo que eles passem a ter rentabilidade, dando retorno e, ao mesmo tempo, atendendo à população. Podemos afirmar que 90% do sistema tem linhas operando de forma deficitárias. Em alguns casos são pequenos ajustes e em outros não tão pequeno assim devido ao tamanho da frota”.

A categoria reivindica ainda o cancelamento de multas aplicadas por operação fora de rotas previamente definidas. Segundo Rodrigues, muitos motoristas têm feito outras rotas “para poder sobreviver” o que vem gerando penalidades.

Ele disse que a categoria vem solicitando à prefeitura que o monitoramento e a fiscalização sejam feitos por outras empresas que não estejam ligadas diretamente à Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetransport).

A Agência Brasil entrou em contato com a prefeitura do Rio de Janeiro, mas até o momento da publicação desta matéria não obteve retorno.

Governo

A Secretaria Municipal de Transportes anunciou que, nos últimos dois meses, “cerca de 20 encontros foram realizados com permissionários e representantes de linhas do Sistema de Transporte Público Local (STPL) na sede da secretaria”.

Em nota enviada à Agência Brasil, a secretaria ressalta ainda que “somente na última semana, houve oito reuniões para tratar sobre a revisão dos itinerários”, uma reivindicação antiga da classe.

O documento diz ainda que o Grupo de Trabalho que trata do assunto deve apresentar um plano de ação nos próximos dias.

“Sobre a licitação, a questão está sendo avaliada pelos órgãos competentes, que tentam solucionar as pendências para dar início ao processo”, conclui a secretaria.

 

* Matéria alterada às 14h43 para acréscimo de informações

FONTE: Agência Brasil

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -