Morre aos 90 anos Reynaldo Bignone, último ditador da Argentina

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Reynaldo Bignone, último ditador da Argentina 's Reynaldo Bignone (R) appears in a court during their trial in Buenos Aires April 20, 2010.

Reynaldo BignoneREUTERS/Marcos Brindicci/Arquivo

O último ditador argentino, Reynaldo Benito Bignone, morreu nesta quarta-feira (7), aos 90 anos, num hospital militar. Ele foi o quarto presidente da ditadura militar argentina (1976-1983), responsável pelo desaparecimento de milhares de opositores, e tinha sido condenado a prisão perpétua por crimes de lesa humanidade.

- Continua depois da publicidade -

Nomeado presidente em 1º de julho de 1982, Bignone substituiu o deposto Leopoldo Galtieri, após a derrota da Argentina contra o Reino Unido pela posse das Ilhas Malvinas – um arquipélago no extremo Atlântico Sul que os dois países reivindicam como próprio.

A derrota na guerra – somada à crise econômica e a crescente mobilização popular contra a ditadura – levou Bignone a convocar eleições democráticas, depois de decretar uma lei de autoanistia para os militares. Uma de suas primeiras medidas foi convocar eleições, mas também a destruição de toda a documentação sobre prisões, torturas e assassinatos de desaparecidos.

No dia 10 de dezembro de 1983, Bignone entregou a faixa presidencial a Raúl Alfonsín – o primeiro presidente eleito após o golpe de 1976. Uma das primeiras medidas do novo governo democrático foi investigar as violações aos Direitos Humanos e julgar seus responsáveis.

De acordo com a Secretaria-Geral do Exército argentino, Bignone morreu por complicações de uma operação cirúrgica no quadril no Hospital Militar Central de Buenos Aires, onde estava internado desde terça-feira.

Nos últimos anos, o ex-general foi condenado a diversas penas perpétuas por crimes contra a humanidade cometidos durante o seu regime, como sequestro de bebês, torturas, privações ilegais de liberdade e formação de quadrilha, entre outros.

* Com informações da Agência EFE.

Edição: Augusto Queiroz

FONTE: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -