Minas Gerais sedia Seminário Regional Paralímpico Escolar 2018

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Um espaço dedicado à formação e à discussão de ações que possam impactar positivamente no trabalho que é desenvolvido pelos professores de Educação Física com estudantes com deficiências. Essa é uma das propostas do Seminário Regional Paralímpico Escolar 2018. Realizado pela Secretaria de Estado de Educação (SEE), em parceria com o Comitê Paralímpico Brasileiro, a Secretaria de Estado de Esportes e a PUC Minas. O evento aconteceu em Belo Horizonte nesta semana.

O seminário teve, entre seus objetivos, proporcionar aos participantes a inclusão, conhecimentos e experiências na área de esportes paralímpicos em cada deficiência. Além disso, capacitar, com conhecimentos técnicos e práticas pedagógicas, os profissionais que atuem com as modalidades oferecidas nas Paralimpíadas Escolares, para que desenvolvam trabalhos voltados à prática esportiva das pessoas com deficiência no ambiente escolar, entre outros.

Com a participação de cerca de 200 profissionais da Educação Física, o evento contou com representantes de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. O estado sediou o último seminário regional: o sudeste. Já foram realizados seminários em Belém (Norte), Florianópolis (Sul), Natal (Nordeste), Campo Grande (Centro Oeste), e Manaus (Norte I).

Durante a abertura do seminário, o vice-presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro, Ivaldo Brandão, destacou a importância dos profissionais apresentarem seus anseios e dúvidas durante o evento. “O seminário tem uma proposta que não é trazer uma receita de bolo. Ele tem dentro de sua essência e seus objetivos, escutar a base de profissionais. Queremos perceber quais são as propostas que podemos tirar desses seminários para melhorar a questão da Educação Física na escola, principalmente, para melhor atender as pessoas com deficiência”.

Ivaldo ressaltou ainda que “existia um a vácuo entre o que a gente quer e o que as pessoas estão fazendo dentro do processo de ensino-aprendizagem. Estamos aqui para ouvir, buscar algumas propostas interessantes para que a gente possa, no seminário do próximo ano, construir alguma coisa mais efetiva para levar como proposta e para que seja inserido em um programa de Educação Física adaptada e mais abrangente”.

O chefe de gabinete da SEE, pontuou que “hoje podemos perceber os avanços que estamos vivendo nesse campo e as paralimpíadas são um reflexo disso. Estamos aqui conversando sobre a formação de profissionais e isso é a concretização de uma vitória da sociedade, daqueles que insistiram na inclusão das pessoas com deficiência no campo da educação e do esporte”.

Já o secretário de Estado de Esportes, em exercício, Ricardo Sapi, afirmou que “o seminário representa um momento de aprendizado, de compartilhar, de apontar soluções para que possamos ampliar e potencializar o paradesporto”.

Formação profissional

Durante o evento, os participantes contaram com minicursos, palestras e apresentação de trabalhos em sete áreas temáticas: Esporte Paralímpico como conteúdo da Educação Física Escolar; Formação de professores em educação física escolar/adaptada; Fundamentos teórico-práticos do processo de ensino-aprendizagem do esporte Paralímpico na escola; Inovação, Tecnologia e Adaptações na prática de esporte para pessoas com deficiência; Classificação Funcional e Avaliação Motora nos Esportes; Atividade física e saúde para pessoas com deficiência; e Administração, Gestão e Organização de Eventos em Esportes para Pessoas com Deficiência.

A coordenadora de Esporte Educacional da SEE, Celina Sousa Gontijo, destacou a importância do seminário para os profissionais que atuam na área. “A formação continuada é muito importante na nossa profissão e dentro do desporto paralímpico é sempre mais reduzido. Quando a gente consegue fazer uma parceria como esta é extremamente importante trazer os nossos professores para que eles possam conhecer novas metodologias e didáticas para fazer a inclusão dos estudantes dentro do esporte e da educação física”, apontou Celina.

O professor de Educação Física Moises Barbosa, que atua nas escolas estaduais Sandra Risoleta e Laice Aguiar, ambas em Belo Horizonte, trabalha há 13 anos com projetos que envolvem modalidades paralímpicas. Para o educador, “iniciativas como esta contribuem para que os professores tenham uma maior atuação dentro da área. Temos que ter mais formações e mais acesso a informações, assim poderemos ter uma ação prática melhorada. Na sala de aula, passamos uma fração de teoria e prática. O que levamos para os alunos é mostramos para os alunos é que eles podem sempre vencer limites”.

Fonte: Agência Minas

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.