Mercado de crédito ainda vê cautela para 2017, indica termômetro de crédito da GoOn

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Pesquisa divide expectativas entre o crescimento do crédito, inadimplência e crescimento econômico

Resultado de imagem para crédito
Foto: Divulgação
A GoOn, maior consultoria de Gestão de Riscos de Crédito do país, lançou a primeira pesquisa denominada TERMÔMETRO DE CRÉDITO de 2017. Os resultados foram bem divididos entre expectativas de manutenção do cenário atual e o otimismo pela retomada do crescimento. Foram ouvidos mais de 200 executivos dos setores de varejo, bancos, financeiras, administradoras de cartão e prestadores de serviço. 
O levantamento consulta executivos do mercado de Crédito dos mais variáveis setores entre: Bancos, Financeiras, Administradoras de Cartão de Crédito, no Varejo, Utilities e Prestadores de Serviços.
A primeira pergunta foi: “Como você vê a concessão de crédito para os próximos 6 meses de 2017?” As respostas foram bem divididas: 42% indicam esperar aumento no nível das concessões de crédito, mas 41% entendem que as concessões devem se mater estáveis.
Sobre a inadimplência, a interrogativa foi: “Como você vê o comportamento para os próximos 6 meses de 2017? “
As respostas mostraram que, grande parte dos entrevistados, ou 45,4% indicaram que a inadimplência deve permanecer estável, e 28,8% ainda esperam aumento da inadimplência.
Mesmo o começo de 2017, mostrando uma pequena queda de 4,84% nos indicadores de inadimplência (Over 90 RiskTrends – BACEN), a pesquisa mostra que a expectativa para a inadimplência ainda será de alta nos indicadores.
Quando questionados sobre o desemprego – “sobre cenário de demissões/redução de quadro em sua empresa ou de pessoas no seu círculo de relacionamento?”, foi que 45,6% das respostas ainda sentem que o mercado ainda deve conviver com demissões, porém em pequena escala. 
A aferição acompanha a notícia divulgada na sexta-feira (31/04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), onde o desemprego subiu para 13,2% no trimestre de dezembro a fevereiro e atinge 13,5 milhões de pessoas, maior taxa e também o maior número de desempregados da série do indicador, iniciada em 2012.
Sobre o cenário político perguntamos: “Qual sua percepção em relação ao cenário político para 2017 ?” Apenas 21, 8% ainda indicam que “São Brasileiros e acreditam que dias melhores virão” enquanto 41,7% não veem perspectivas de melhoras e 32,5% ainda acreditam que o cenário política vai piorar.
Mesmo a política e economia terem andado juntas nos resultados em 2016, o Termômetro de Crédito mostrou mais otimismo ao cenário econômico para os próximos meses de 2017. Perguntamos: “Qual sua percepção em relação ao cenário econômico para 2017?” 
Aqui 43,3% fazem parte da categoria dos brasileiros que sempre acreditam que dias melhores virão. 42,2 % por outro lado, não veem expectativas de melhora. Por fim, perguntamos como o mercado entendia os investimentos Internos e Externos na Formação do Capital no país.
Enquanto 53,9% acreditam que os investimentos nacionais devem permanecer estáveis em 2017, a resposta sobre a percepção dos investimentos externos dividiu o público: “Como serão os investimentos nacionais na Formação Bruta de Capital em 2017?”
Pergunta: Como serão os investimentos estrangeiros na Formação Bruta de Capital em 2017?
O levantamento constatou que o país ainda está dividido entre momentos de otimismo e instabilidade. “O que podemos perceber nos primeiros meses de 2017 é um tipo de despertar. Este despertar se dá pela necessidade de continuarmos lutando, pois não dá mais para ficar parado, até porque é com a força de trabalho de cada um que podemos fazer o crescimento coletivo”, analisou Eduardo Tambellini, Sócio diretor da GoOn. 
Déborah Santos
Triângulo Notícias
18/04/2017

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -