Major Olímpio: reforma da Previdência não deve ser aprovada em 2018

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Um dos principais aliados do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) no Congresso, o deputado federal Major Olímpio (PSL-SP) disse nesta terça-feira (30) que não vê condições de o projeto da reforma da Previdência ser aprovado da forma como se encontra na Câmara até o fim do ano. Eleito senador da República, Major Olímpio afirmou que o assunto ainda não foi discutido entre ele, Bolsonaro e a equipe econômica, após a vitória no segundo turno das eleições, no último domingo (28).

Segundo o parlamentar, o próprio presidente eleito já havia se manifestado anteriormente no sentido de que não seria possível votar a atual proposta de emenda à Constituição. “Uma coisa é a necessidade [de se aprovar a reforma], outra é a condição política. Metade dessa Casa já não conseguiu renovar o mandato. Então eu acho que o ânimo ou até a legitimidade para mudanças constitucionais ficou bastante comprometida e, com o espaço de tempo até o final do exercício legislativo, não vejo essa condição”, afirmou.

- Continua depois da publicidade -

Major Olímpio disse manifestar uma opinião pessoal como deputado e com a “pequena experiência” que tem. Na entrevista a jornalistas, ele apontou alguns itens da PEC 282/2016 que fizeram com que ela não pudesse ser aprovada no início do ano, antes de o presidente Michel Temer decretar a intervenção no Rio de Janeiro na área de segurança, o que impede mudanças constitucionais.

O deputado citou que o projeto retirava direitos do Benefício da Prestação Continuada e não incluía categorias ligadas à segurança como agentes penitenciários e guardas municipais. “Eu ouvi do próprio Jair Bolsonaro anteriormente falando da impossibilidade da votação com o conteúdo que ela está. A minha visão é de que um novo projeto que possa ser construído com o novo governo, o novo Parlamento, e aí eu não vejo dificuldades de ela ser aprovada”, afirmou.

O parlamentar disse estar na expectativa de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, colocar em pauta a flexibilização do Estatuto do Desarmamento. Na opinião dele, do jeito como está o projeto seria aprovado “com folga”.

Os presidentes da Câmara e do Senado também comentaram a reforma da Previdência hoje, no primeiro dia de atividades no Congresso, após as eleições. Eles disseram que caberá ao futuro Chefe do Executivo uma sinalização sobre votar ainda este ano a reforma da Previdência.

Mais cedo, ao conversar com jornalistas, o indicado para o Ministério da Fazenda, economista Paulo Guedes, defendeu a aprovação da reforma da Previdência como prioridade para a economia. “Previdência é mais importante e mais rápida. Privatização é devagar e ao longo do tempo”.

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -