Líderes muçulmanos preparam resposta para crise em Jerusalém

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Representantes de 48 países de maioria muçulmana, membros da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI), se reuniram hoje (13) em Istambul, na Turquia, para tentar chegar a um acordo conjunto diante da decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

No discurso de abertura do encontro, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Çavusoglu, afirmou que a cúpula mostrará a reação do mundo muçulmano diante dos últimos eventos.

“Trabalhar pela unidade dos irmãos palestinos” e “encorajar outros países em reconhecer a Palestina dentro das fronteiras anteriores a 1967 e com Jerusalém Oriental como sua capital” são as prioridades da reunião de hoje, afirmou o ministro.

Pelo menos 48 representantes dos 57 países integrantes da OCI participam do encontro, de acordo com informações da emissora de TV NTV.

O presidente palestino Mahmoud Abbas, o rei Abdullah, da Jordânia; o presidente de Azerbaijão, Ilham Aliyev; o emir do Catar, Tamim bin Hamad Al Sadi e o presidente iraniano, Hassan Rouhani, são alguns dos líderes que participam da cúpula.

Venezuela se manifesta

Também estão em Istambul os ministros das Relações Exteriores do Egito, Emirados Árabes Unidos, Marrocos e Cazaquistão e o ministro para Assuntos Islâmicos da Arábia Saudita.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, também anunciou sua participação na reunião na sua função de secretário-geral do Movimento dos Países Não Alinhados, um órgão de observação da OCI a que pertence o país sul-americano. A Rússia também enviou um representante como observador.

A reunião foi convocada pelo presidente turco, o islamita Recep Tayyip Erdogan, após a decisão do presidente americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e anunciar a transferência da embaixada para esta cidade.

O líder turco disse recentemente que o governo israelense vê o conflito causado pelo gesto americano “como uma oportunidade para aumentar a pressão e violência contra os palestinos” e adiantou que espera da cúpula “uma mensagem forte”.

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

Edição:

Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS