Justiça aceita denúncia do MPF e marca audiência do mau-cheiro do Quebec

MPF entrou com ação civil pública contra os responsáveis pela construção do bairro ao lado da Estação de Tratamento de Esgoto.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A Justiça Federal expediu uma decisão na última sexta-feira (13/11) marcando a primeira audiência sobre a situação do mau cheiro do Bairro Jardim Quebec, construído ao lado da Estação de Tratamento de Esgoto – ETE da Copasa. A ação civil pública foi proposta pelo Ministério Público Federal e tem como réus a Caixa Econômica Federal, a Prefeitura de Patos de Minas e a Pizolato Construtora e Incorporadora. A primeira audiência está marcada para o dia 11 de dezembro de 2020, às 14h, e deve acontecer de forma virtual.

Leia também sobre o caso:
MPF pede indenização de cerca de R$ 130 milhões por causa de mau cheiro no Quebec

O juiz federal, Gustavo Soratto Uliano, nomeou uma perita oficial para emitir laudos técnicos para verificação da ocorrência e extensão danos ambientais e urbanísticos narrados pela petição inicial do Ministério Público Federal. Na decisão, o magistrado também elogiou o trabalho desenvolvido e detalhado pelo MPF, através da Procuradora da República, Polyana Jeha, na petição inicial.

O magistrado também determinou que o Município de Patos de Minas esclareça se foi efetuado o Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV para a aprovação dos conjuntos habitacionais Quebec I, II e III. A Caixa Econômica Federal de informar se todas as residências estão ocupadas e quantos já conseguiram finalizar o arrendamento e obter a propriedade dos imóveis. Já a Pizolato Construtora deve informar se houve a regularização ambiental dos empreendimentos perante ao órgão do Estado de Minas Gerais. Os réus devem prestar as informações no prazo de 10 dias.

A Justiça Federal determinou também que, caso os réus optem por promover voluntariamente a desocupação das residências afetadas pela Estação de Tratamento de Esgoto – ETE, para que apresentem o plano de desocupação das casas afetadas e a realocação ou indenização das famílias atingidas até cinco dias antes da data designada para audiência de conciliação.

Assista a coletiva de imprensa com a Procuradora da República, Polyana Jeha, que explica sobre a ação civil pública proposta pelo MPF:

 

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS