Jaqueline Mourão iguala recorde de participações olímpicas brasileiras

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A atleta igualou o recorde de seis participações de outros cinco ídolos do esporte brasileiro e ainda afirma ter fôlego para mais.

Agora é oficial. Ao completar a prova de 10km de esqui cross country estilo livre, em PyeongChang 2018, nesta quinta-feira, dia 15, Jaqueline Mourão se tornou a única brasileira – entre homens e mulheres – a competir em duas edições de Jogos Olímpicos de Verão e quatro de Inverno. A atleta igualou o recorde de seis participações de outros cinco ídolos do esporte brasileiro. Jaqueline completou a prova em 30min50s3 e obteve a 74ª colocação entre 90 competidoras, superando atletas de 15 países e alcançando a melhor colocação entre as latino-americanas.

- Continua depois da publicidade -

A vencedora da prova foi a norueguesa Ragnhild Haga (25min00s5), seguida da sueca Charlotte Kalla (25min20s8) e, em terceiro, empate entre a norueguesa, Marit Bjoergen e a finlandesa Krista Parmakoski (25min32s4).

Mesmo passando mal na véspera da prova, com problemas estomacais, a atleta mineira não desistiu da disputa e igualou às seis participações olímpicas da jogadora de futebol Miraldes ‘Formiga’, Torben Grael, Robert Scheidt (vela), Rodrigo Pessoa (hipismo) e Hugo Hoyama (tênis de mesa).

“Nunca imaginei que chegaria tão longe. Estou muito feliz de estar aqui e de representar mais uma vez o meu país e conseguir a minha sexta participação olímpica”, disse a brasileira. “Sou de longe a melhor latino-americana nessa prova. Bati um monte de países. Nos Jogos Olímpicos estão apenas as melhores do mundo. Foi uma prova muito dura. Dei o máximo que eu pude, mesmo passando um susto na véspera”, afirmou a mineira.

Aos 42 anos, Jaqueline era a mais velha entre as competidoras em PyeongChang. Ao final da prova, afirmou que tem disposição para se isolar como a atleta brasileira com mais Olimpíadas, entre homens e mulheres. “Se o Brasil estiver comigo para me dar força para treinar eu vou para mais uma Olimpíada sim”, disse a atleta. “A idade é um tabu. Uma vez que você passa por isso, acaba percebendo que não é um problema. O mais importante é evoluir na parte técnica. Seguir se desenvolvendo apesar da idade”, completou a mãe da Jade, de 3 anos, e do Ian, de 7.

Neste ciclo, Jaqueline alcançou os melhores resultados de sua carreira no cross country. Jaque chegou ao pódio em três etapas de provas internacionais válidas para o ranking internacional, sendo duas etapas de copas norte-americanas. “Finalmente consegui uma equipe muito sólida, muito boa. Agora é trabalhar mais ainda para conseguir mais resultados para o Brasil.

Jaqueline começou a praticar o ciclismo em 1991, aos 15 anos, e logo no ano seguinte, passou a competir. Em 2003, ao finalizar em 9º lugar no Ranking da União Ciclística Internacional, Jaqueline garantiu ao Brasil a vaga inédita nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 no mountain bike. Dois anos depois, se tornou a primeira e única brasileira a participar dos Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno, ao se classificar para Torino 2006. Em 2014, Jaqueline se classificou para os Jogos Olímpicos também no biatlo de inverno.

Nos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang 2018, a atleta voltou ao esqui cross country, modalidade em que também participou de Turim 06, Vancouver 10 e Sochi 14. A multiatleta disputou também Jogos Olímpicos no biatlo de inverno, em Sochi 14, e no mountain bike, em Atenas 04 e Pequim 08.

Fonte: Time Brasil


Clique aqui para ler essa matéria em sua fonte original.


FONTE: Portal Esporte Net

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -