Indústrias gastaram mais de R$ 27 bilhões com segurança em 2016, diz CNI

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

As perdas causadas com roubo, furto ou vandalismo somadas aos gastos com seguros e segurança privada, consumiram mais de R$ 27 bilhões do faturamento das indústrias do país em 2016. Os dados constam de um levantamento divulgado hoje (15) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo mostra ainda que uma em cada três indústrias foram atingidas.

“De acordo com a pesquisa, 53% das empresas vítimas da violência avaliam que os prejuízos com os crimes atingiram até 0,5% do faturamento. Na média, as perdas para as empresas que enfrentaram roubos, assaltos ou vandalismos equivalem a 0,69% do faturamento, ou R$ 5,8 bilhões em 2016”, diz o documento.

- Continua depois da publicidade -

O levantamento foi feito com 2.952 indústrias de pequeno, médio e grande portes de todo o país. Segundo a CNI, 57% dos entrevistados consideram que os crimes de roubo, furto ou vandalismo aumentaram na localidade onde a empresa está sediada. Com isso, a indústria reforçou os gastos com segurança privada e com a contratação de seguros.

“A contratação de segurança privada é maior entre as empresas da indústria extrativa. Nesse segmento industrial, 64% das empresas contrataram segurança privada em 2016”, diz o estudo. No setor da construção, esse número foi de 56% e, na indústria de transformação, 54%. Em média, as empresas gastaram 0,64% do faturamento com serviços de segurança privada, o que equivale a R$ 10,5 bilhões de 2016.

O levantamento da CNI mostra também que a falta de segurança tem consequência na decisão das empresas em investir. Entre os entrevistados, 35% afirmam que a falta de segurança afeta muito ou moderadamente a decisão sobre investimento, percentual que sobe para 47% entre os que consideram que a  criminalidade cresceu nas regiões onde suas indústrias estão instaladas..

“Esse dado indica que as empresas podem reduzir seu investimento em localidades com piora na segurança pública, chegando, no limite, a desistir de instalar plantas produtivas ou expandir as que lá se encontram”, avalia a CNI.

Fonte: Agência Brasil

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -