Homem preso por suposto estelionato trabalhava em associação de São Paulo

A prisão aconteceu na noite de segunda-feira (21) na zona rural de Patrocínio. Um funcionário, confirmou, a nossa reportagem, que o cidadão prestava serviços para a associação.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Foto: Divulgação (Polícia Militar/MG)

A Polícia Militar divulgou a imprensa, na manhã de ontem, terça-feira (22), que um homem de 38 anos, suposto suspeito de estelionato, foi preso na zona rural de Patrocínio.

Segundo a corporação, um patrulhamento foi iniciado após tomarem conhecimento de um crime através da imprensa (RÁDIO E TV).

O cidadão foi abordado na região de Santo Antônio da Bocaina. Ele estava em um veículo VW/Gol com um adesivo da A. B. A. P. C. (Associação Brasileira dos Amigos Portadores de Câncer). Após busca pessoal no condutor foi localizado no bolso um cheque no valor de R$ 100,00.

Dentro do carro havia ainda uma pasta preta com vários recibos já usados e outros novos. O suposto suspeito disse aos militares que estava na região de Patos de Minas, Serra do Salitre e Patrocínio há pelo menos quatro dias, fazendo pedidos de doações em dinheiro. O homem foi preso e conduzido para a delegacia, e seu veículo apreendido.

A reportagem do Triângulo Notícias entrou em contato com a associação que está sediada na Vila Paulista em Bebedouro – SP. Segundo um funcionário, a entidade existe há cerca de 19 anos e objetiva ajudar os portadores de câncer. Questionado a respeito do homem que foi preso, ele esclareceu que o mesmo é um representante e está regularmente cadastrado e apto a pedir as doações.

Sobre as acusações, ele disse que os advogados estão tomando conhecimento dos autos e irão se manifestar oficialmente nos próximos dias. O preso foi submetido a exame de corpo de delito, e recebe, segundo o funcionário, todo o apoio da instituição.

Também perguntamos a respeito das supostas denúncias, vinculadas na imprensa, e ele disse que nenhum veículo de comunicação ou policial entrou em contato para saber se o homem realmente trabalhava para a associação.

Ainda foi esclarecido que todos os representantes, que pedem doações para A. B. A. P. C, portam documentação de identificação.

Nossa reportagem continuará a acompanhar os desdobramentos deste caso.

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS