Guardia não confirma decisão sobre redução da Cide nos combustíveis

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, negou há pouco que o governo já tenha tomado uma decisão definitiva sobre a redução das alíquotas da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) cobradas sobre os combustíveis. Após sair de uma reunião no início da noite desta terça-feira (22) com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), Guardia evitou confirmar o anúncio, feito mais cedo pelo senador e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O ministro deixou o gabinete de Eunício sem falar com a imprensa, mas respondeu negativamente às perguntas se a equipe econômica tinha decidido zerar a Cide sobre o diesel e a gasolina, após o registro de protestos de caminhoneiros em diversos estados brasileiros contra os sucessivos aumentos no preço do petróleo. Segundo ele, quando houver uma decisão, ela será anunciada. Questionado por jornalistas, Guardia disse que estava indo para o Palácio do Planalto, mas não confirmou se conversaria com o presidente Michel Temer sobre o assunto.

- Continua depois da publicidade -

Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, após reunião com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, após reunião com os presidentes da Câmara e do Senado – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Eduardo Guardia chegou ao Senado no meio da tarde, quase uma hora após os parlamentares comunicarem a informação em seus perfis no Twitter. Ele esperou o presidente do Senado até por volta das 18h, quando Eunício encerrou as votações no plenário e se dirigiu para o gabinete da Presidência da Casa.

De acordo com Eunício e Maia, a contribuição seria zerada com o objetivo de diminuir os impactos da alta dos preços dos combustíveis. Além disso, afirmaram que o projeto em tramitação que reduz a desoneração de uma série de setores da economia seria aprovado, e os recursos arrecadados seriam destinados a minimizarem a alta do diesel.

 

FONTE: Agência Brasil

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -