Governo Maduro faz "operação" para convencer eleitor a votar

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Pouco antes das urnas na Venezuela fecharem neste domingo (20), o presidente Nicolás Maduro mobilizou seus partidários para fazer um “remate” – uma operação para convencer os eleitores a saírem de casa e votarem, desafiando a campanha da oposição pela abstenção.

O constituinte Diosdado Cabello – um dos homens mais influentes do governo – negou as acusações de dois candidatos opositores à Presidência, Henri Falcón e Javier Bertucci.  Ambos acusaram o Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV) – no poder há 18 anos – de instalar “pontos vermelhos” a menos de duzentos metros dos centros de votação. Os eleitores são encorajados pelo governo a se apresentarem nessas barraquinhas, depois de votar, para assinar e mostrar a Carteira da Pátria – um cartão usado para obter produtos subsidiados, em um país que enfrenta escassez de alimentos e remédios.

A oposição acusa o governo de usar esse sistema para coagir os eleitores, que temem perder os benefícios se não comparecerem. Maduro chegou a oferecer durante as últimas semanas um bônus através da carteira para os que fossem votar livremente. A medida foi proibida pelas autoridades, mas o presidente não retirou os benefícios concedidos até agora.

 “Essa é uma desculpa [dos candidatos opositores] para explicar a falta de votos”, disse Cabello. “Não temos culpa se eles não se mobilizaram e organizaram. Nós sim, há muito tempo”, acrescentou, ao explicar que o PSUV montou uma estrutura para monitorar “até a última rua” do país.

Nas eleições venezuelanas, os partidos têm direito de instalar seus pontos de observação, contanto que fiquem a 200 metros de distância. “Querem manchar [a eleição] dizendo que temos pontos a 193 metros em vez de 200 metros”, disse Cabello.

“Que diferença faz isso? Nossa votação é mais eficiente”, acrescentou, antes de pedir a “máxima mobilização” por parte dos militantes do partido para aumentar a participação eleitoral. 

Pouco antes do fim da eleição, campanha de Maduro tenta convencer eleitores a votar.

Pouco antes do fim da eleição, campanha de Maduro tenta convencer eleitores a votar. – Carlos Jasso/Reuters/Direitos Reservados

 

As eleições ocorrem em meio à convocação de boicote feita pela Mesa da Unidade Democrática (MUD), a principal aliança da oposição, que decidiu não participar do pleito por considerá-lo fraudulento. 

Oposição

Segundo colocado nas pesquisas, o candidato Henri Falcón denunciou mais de 350 violações às regras eleitorais cometidas pelo partido de Nicolás Maduro.

O ex-governador de Lara cobra que o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) corrija imediatamente as violações de Maduro. “A situação é generalizada, com a instalação de pontos vermelhos como mecanismo de pressão, de chantagem política, social. Querem mais uma vez comprar a dignidade de um setor da população”, disse.

O adversário de Maduro também denunciou o abuso do “voto assistido”, isto é, o uso de acompanhantes para levar o eleitor até a máquina de votação para ajudá-lo no processo. O auxílio só é autorizado para idosos ou pessoas com alguma incapacidade.

A Frente Ampla Venezuela Livre, um dos grupos de oposição ao governo do país, afirmou que a participação nas eleições presidenciais deste domingo é de apenas 12% e denunciou a presença de aliados do chavismo em 85% das seções eleitorais, o que viola um acordo firmado entre os candidatos antes do pleito.

Os 20,5 milhões de venezuelanos aptos a votar hoje escolhem entre o atual presidente, Nicolás Maduro, o ex-governador de Lara Henri Fálcon, o ex-pastor evangélico Javier Bertucci e o engenheiro Reinaldo Quijada.

EUA

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, classificou hoje (20) as eleições presidenciais na Venezuela como “fraudulentas” e disse que elas “não mudam nada” no cenário do país.

“Observando hoje [o que acontece na] Venezuela. As fraudulentas eleições não mudam nada. É preciso que o povo venezuelano dirija este país… Uma nação com tanto para oferecer ao mundo”, escreveu Pompeo no Twitter.

Os Estados Unidos anteciparam há um mês que não reconheceriam o resultado do pleito de hojecomo estava sendo preparado, e o vice-presidente do país, Mike Pence, pediu recentemente que Maduro suspendesse as eleições, consideradas por ele como “falsas”.

* Com informações da Agência EFE

    

FONTE: Agência Brasil

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.