Governo do DF reconhece e amplia proteção às religiões africanas

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Em cerimônia no Museu da República, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, assinou nesta quinta-feira (3) a adesão ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir) e um decreto determinando que, a partir de hoje, todos os formulários, questionários e levantamentos da administração pública distrital passem a considerar raça, cor e etnia.

Segundo o governador, o decreto e a adesão ao Sinapir ampliam a proteção das populações e dos praticantes de religiões de matriz africana. “É fundamental que o Poder Público saiba onde estão os terreiros para promover a segurança deles”, afirmou Rollemberg.

A norma também permitirá o desenvolvimento de metodologias de enfrentamento e combate ao racismo no DF. Conforme o governador, a ferramenta consolida as políticas públicas de promoção da igualdade racial e redução das desigualdades.

Museu Nacional, Complexo CUltural da República, Brasília, DF, Brasil 3/5/2018 Foto: Tony Winston/Agência Brasília. Todos os formulários, questionários e levantamentos no âmbito da administração pública distrital passam a considerar raça, cor e

O decreto assinado pelo governador determina que todos os formulários, questionários e levantamentos da administração pública distrital passam a considerar raça, cor e etnia – Tony Winston/Agência Brasília

Na mesma solenidade, a Fundação Palmares lançou o Mapeamento dos Terreiros do Distrito Federal. Conforme o levantamento, foram identificados 330 locais de umbanda e candomblé na região.

Coordenado pelo pesquisador Rafael Sanzio, da Universidade de Brasília (UnB), o mapeamento objetiva legitimar as manifestações dos grupos como exercício de cidadania, além de contribuir para o combate aos ataques motivados por intolerância religiosa.

De acordo com o presidente da Fundação Palmares, Erivaldo Oliveira da Silva, essa intolerância é fruto da ignorância. “Nas escolas, estudamos o cristianismo, o judaísmo e até o islamismo. Crescemos com preconceito, achando que nas religiões de matriz africana se produzem coisas que não se deve. No entanto, nelas se fala de paz, amor e preservação da natureza”, afirmou Erivaldo.

Para evitar esse tipo de crime, o governo local anunciou nesta quinta-feira a adesão ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial e criou a Delegacia de Repressão aos Crimes de Intolerância do DF.

Iniciada em 2016 e encerrada na metade do ano passado, a pesquisa revelou que apenas 12,2% dos pontos encontram-se em áreas rurais. Apurou ainda que a cidade com mais praticantes é Ceilândia, onde estão 43 terreiros (18,6%). Planaltina aparece em segundo lugar, com 25 pontos de celebração (10,8%). Em Samambaia, Gama, Santa Maria, Sobradinho I e Sobradinho II foram reconhecidos, em  média, 15 terreiros em cada uma.

Doutor e professor titular do Departamento de Geografia da UnB, Rafael Sanzio informou que a ideia foi tornar os terreiros “visíveis” e facilitar a canalização de políticas públicas que atendam às necessidades do segmento.

 

FONTE: Agência Brasil

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.