Governo do DF mantém atenção sobre abastecimento d’água até fim do ano

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Após o anúncio do fim do racionamento de água no Distrito Federal a partir de 15 de junho, feito ontem (3) pelo governo local, o diretor-presidente da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), Paulo Salles, disse hoje (4) que não acredita na necessidade de um novo racionamento, mas informou que os níveis dos reservatórios serão acompanhados até o fim do ano e novas medidas podem ser adotadas.

Racionamento

Principal reservatório do DF, o Descoberto deve chegar ao fim do ano com níveis ainda baixos de água (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

De acordo com a Resolução 8 da Adasa, caso os dados da curva de referência estabelecendo o nível dos reservatórios, até o final do ano, se afastem da trajetória, a agência poderá adotar medidas para que seja mantido o traçado original. “Nós vivemos um período de muita incerteza climática. Temos que manter a população alerta e ciente de poupar muito a água, de forma a garantir a manutenção da curva e chegar até o próximo período chuvoso em segurança”, ressaltou Salles.

O dirigente reconhece que os níveis de chuva no reservatório do Descoberto, responsável pelo abastecimento de 64% do Distrito Federal, estarem abaixo da média histórica, mas acha que novo racionamento é improvável. “Nós confiamos que não será necessário. Há muitos elementos que nos permitem essa segurança, como as novas fontes de abastecimento do Paranoá e do Bananal e também o trabalho junto aos irrigantes para o consumo mais racional”, disse o diretor-presidente, em entrevista coletiva.

Segundo a Adasa, se o consumo voltasse aos índices anteriores ao racionamento, o nível do Descoberto ficaria negativo. Com a ampliação da captação, pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), de 3,3 para 4,3 metros cúbicos por segundo; e o aumento autorizado de retirada de água dos córregos, pelos irrigantes, por seis horas diárias – conforme estabelece a Resolução 8 da Adasa; o volume útil do reservatório deve chegar ao piso mínimo de 21,9%, em novembro.

O diretor-presidente informou que após o término do racionamento haverá reuniões mensais com a Caesb, Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal, e, periodicamente, com o Grupo de Acompanhamento, para avaliar o consumo, além de campanhas publicitárias e outras iniciativas que garantam a segurança hídrica no período de estiagem.

 

FONTE: Agência Brasil

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.